Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Clique e veja o que acontece

DO ANO 2016
O que mais gostei de escrever:

24.10.2016

Queria ser o pôr-do-sol
Da minha pele
Desnuda
No teu horizonte.
Fixar a âncora
No teu peito
De mar brando
E amar
...
Olhando a imagem
Ao relento
De nós.


Como reza a tradição
Da bela ilha Terceira
Havia uma paixão
Numa lenda pioneira.

O Atlântico apaixonado
Pela Princesa Baía
Acabou “enlutado”
De alegria vazia.

Era Príncipe dos mares
Como assim o conheciam;
Foi deitando seus olhares
A quem não correspondiam.

Princesa de belos cabelos,
Louros e cadenciados,
De amor, sem atropelos,
Por outro dos seus amados.

O ciúme incendiou
Nosso Príncipe apaixonado;
Atlântico então chamou
Uma Fada para seu lado.

Violento e desordeiro
Pra mudar acontecimentos:
A Fada foi quem primeiro
Fez magias, feitiços e ventos.

Nada conseguiu então
E o Príncipe dos Mares,
Furioso, deu expulsão
A Fada pra outros lugares.

A Princesa por entre olhares
Trocou o primeiro beijo;
Acorda Príncipe dos Mares,
Com sussurro relampejo.

Fazia da rocha seu leito,
Basalto e vulcânica areia,
E acordou de um jeito
Que a coisa tornou-se feia.

Até a Fada voltou
A este reino terceirense
Apaixonada já se mostrou
Mas o Príncipe não convence.

Queria vingar-se também
Do Príncipe, Senhor do Mar;
Ele apenas queria bem
À Princesa pra seu par.

Vendo-o tão furioso
A Fada se ofereceu
Para vingar o seu ditoso
Que contra a terra se bateu.

Cego de raiva e ciúme
Com mais ódio disse à Fada:
“Correi e fulminai”, como lume,
“Quem roubou a minha amada”.

“Mas…” ainda na voz dele,
Afirmou sua intenção:
“Lembrai-vos, só a ele,
Mal… À minha amada não!”

A Fada aceita o desafio,
Até convida o Senhor;
Acena a cabeça, que ele viu,
E leva p’la mão seu “amor”.

Na praia dois apaixonados:
A Princesa, ao sol poente,
Com os cabelos dourados,
Reclinada ao amor somente.

A Fada soltou sua mão
Do Senhor do Mar e foi…
Num encanto de magia, então,
O Monte ela constrói.

Monte Brasil fica a ser
Aquele eterno rochedo,
Altivo, sem mais prazer,
Coberto pelo arvoredo.

Jamais a Princesa o deixou,
Ficou sendo sua Baía
Angra que de paixão ficou
Reclinada de noite e dia.

Para sempre estão unidos
Milénios de romantismo;
E agora são conhecidos:
Lenda de Angra do Heroísmo.

Embalados pelas marés
Está aquele par romântico,
Soluçando a seus pés
O Senhor do Mar: Atlântico!

Não é triste esta história
É uma lenda de valor
Que a moral sejam a glória,
Fidelidade e amor.

Quem o Mal quer provocar
Acaba na ratoeira;
Esta lenda é exemplar
Porque ergue uma bandeira
Ao Bem que, sem lutar,
Se deitou à cabeceira,
Tanto ao sol como ao luar,
Do Monte que na Terceira
Tem a Baía pra amar
Muito além da vida inteira.

Rosa Silva (“Azoriana”)

Nota: Inspirada na “Lenda de Angra do Heroísmo - Terceira", na página da Casa dos Açores do Ontário, Canadá.

Ver imagem.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Os escritos são laços que
nos unem na simplicidade
do sonho... São momentos!
Rosa Silva ("Azoriana")
DATA DA CRIAÇÃO
09/04/2004

A curiosidade aliada à
necessidade criou
o 1º artigo e continuou...
DEZ ANOS
2014/04/09

Não há rima para o tempo
Mas o tempo é uma rima
Que serve de passatempo
A quem o tempo estima.


SELO
Azoriana/Açoriana Blog
Azoriana/Açoriana Blog
@ 2004 etc.
VISITAS
Até 2015/03/30 tinha um total de 537.867 visitas.
Doravante estatísticas in SAPO
MEO KANAL
Canal nº 855035 – Azoriana no MEO Kanal



ISSUU

MEO CLOUD





Links

Voz dos Açores - gravações