Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Açoriana - Azoriana - terceirense das rimas

Os escritos são laços que nos unem, na simplicidade do sonho... São momentos! - Rosa Silva (Azoriana). Criado a 09/04/2004. Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores. A curiosidade aliada à necessidade criou o 1

Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(940...pausa... 981)

Motivo para escrever:

Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********

Com os melhores agradecimentos pelas:

1. Entrevista a 2 de abril in "Kanal ilha 3"



2. Entrevista a 5 de dezembro in "Kanal das Doze"



3. Entrevista a 18 de novembro 2023 in "Kanal Açor"


**********

Desabafo

29.11.05 | Rosa Silva ("Azoriana")

Eu quando iniciei o meu blog foi para servir de “escape” e não pensar tanto nas agruras da vida.
Quando escrevo seja lá o que for é o que me sai no momento e depois dou uma olhada a rever o português ou até alguma frase que seja, porventura, ofensiva. Tenho cuidado de não usar palavrões ou frases com calão. Se escrevo algo que nem sempre agrade a alguém e que dependa da minha opinião e/ou estado de espírito do momento, não é com intenção de ofender alguém. Penso que ainda posso ter liberdade de expressão e, insisto, não é minha intenção maltratar seja quem for. Na minha mente tenho sempre esse sinal de alerta, mas claro que tenho as minhas opiniões sobre este ou aquele assunto.
Eu também gosto de receber comentários aos meus artigos, mas aqueles comentários que são anónimos ou com resposta devolvida fazem-me stressar. Não queria escrever para me stressar mas para me aliviar do stress do dia-a-dia.
Mas não sei se vale a pena. Tanto feliz que eu fico quando escrevo nem que sejam 3 linhas. É como estar viva e querer viver. Quem me conhece, sabe que eu não estou bem, nem física nem psicologicamente. Mas é assim mesmo, todos temos dias melhores e dias piores. Há que ultrapassar os obstáculos e seguir em frente até quando Deus quiser.
O blog ou página ou papel manuscrito é uma espécie de fuga para a frente. Continuo a dizer: é o meu escape. Mas quando vejo que nem isso posso fazer, então perco um bocadinho do entusiasmo e isolo-me.
Se sou diferente das outras pessoas? Acho que sim. Talvez desde o berço. Desde pequena que tento mudar para melhor, mas nem sempre o consigo. E acabo vivendo num “massacre” constante. Acho que não consigo levar nada adiante porque há algo que me impede de ser EU.
Estou a passar mais uma fase da vida muito triste, mas conto sempre com a ajuda de Deus, porque tenho muita fé n’Ele.
Eu não queria fazer inimigos (as) mas às vezes sinto que os faço sem querer… basta mostrar a minha ideia sobre este ou aquele assunto…
Por fim, digo-vos que não sou santa... cada vez mais sinto isso. Peço perdão se ofendi alguém nestes tempos.
E se te ofendi peço que me escrevas para o meu e-mail, não num comentário anónimo. Obrigada.
© Azoriana

Quando há Natal...

26.11.05 | Rosa Silva ("Azoriana")

Um pinheirinho já virá p´ra sala
musguinhos d'esperança a enfeitar
o Menino sorri sem tiritar,
sem berço, veste um calor que embala

um calor do Amor que Ele nos fala.
Por vezes nem O sabemos imitar,
na ganância de tanto comprar;
Oh! Quantas vezes o Amor se cala?!

Natal repete santo nascimento
as estrelas dançam nesse momento
incendeiam a paz nos corações.

Quatro semanas p'ro solene dia:
Advento prepara-se com alegria
com pinheirinho das recordações!

Rosa Silva ("Azoriana")

 

Em http://www.sonetos.com.br/sonetos.php?n=6482

Índice temático: Desenho sonetos

"E esta hein?!"

26.11.05 | Rosa Silva ("Azoriana")

Perdão, Senhor!
Será que sabem o que fazem?!
Senhor! Tu não nos abandonastes... mas será que agora Te abandonam de vez?!
Perdão e Clemência, Senhor!
Esta notícia fere-me, porque o Crucifixo é um Símbolo que sempre me ensinaram a venerar e até a andar com Ele fosse onde fosse. Mas os tempos são outros.

Bloguistas da Ilha Terceira - BIT

22.11.05 | Rosa Silva ("Azoriana")

Porque não se reunem os bloguistas da Ilha?
Porque não se reunem os bloguistas da Ilha?
Porque não se reunem os bloguistas da Ilha?
Porque não se reunem os bloguistas da Ilha?


Ainda é cedo para se falar de Natal... as montras das lojas já falam dele há muito... as ruas, onde passei, já estão com os sinais evidentes da luminosidade natalícia... mas o Natal, o Nascimento do Menino, começa a ser preparado brevemente, no tempo do Advento.
Seria tão bonito um Encontro de "Bloguistas da Ilha Terceira", cuja sigla seria BIT, incluindo família e amigos.

Autodidata com sorriso

22.11.05 | Rosa Silva ("Azoriana")

Vão ler segredo profundo:
Levei pla mão um soneto
e tenho-lhe tanto afecto
não o deixo por um segundo.

Quando cheguei neste mundo

pensei: Será que é correcto?!
Nas letras do alfabeto
o verso não viu fundo.

Mas quantas serão as emendas?!
(não me mandaram embora!)
Se estou no livro [de prendas]:

«Autodidata» sem medo,
há palavra feita na hora...
- Esta paixão não é segredo!

Desenho do Soneto

Rosa Silva ("Azoriana")

 

Em http://www.sonetos.com.br/sonetos.php?n=6438

Índice temático: Desenho sonetos

Que amor!

21.11.05 | Rosa Silva ("Azoriana")

Tão frágil sou
neste meu sangue
que de azul
só em veste minha.

 

 

E fez-se em mim
amor p'la rima
musa encandeia
mais à noitinha.

 
 

E se o sorriso
aponta o dia
nasce a esperança

 

 

... e eu canto: Há vida!

© Azoriana

Sensibilidade

21.11.05 | Rosa Silva ("Azoriana")



Escondi a sensibilidade no cinzento da bruma
desfraldei os sentidos
nas vagas de um mar de silêncios
deixei-me quedar no espaço
entre aqui e o além.

Orei no deserto das palavras
calcorrei na areia do meu corpo
deixei o olhar preso numa gota de orvalho
e apenas vi
palavras escritas
nas palmas da mão do vento.

Ofereço-te
nada do que escrevo é meu
mas sim pertença de almas despertas
no regaço da palavra.

Eu ofereço-te uma rosa limpa
para a depores no altar da vida
percorre o pó de onde vieste
mas não deixes os espinhos presos
na cintura da tua alma.

Chora!
assim baixo
como os trinados da guitarra
deixa que da tua alma se soltem os murmúrios
que só tu conheces
deixa que o mar toque as margens do teu corpo
te beije a alma
te lave as chagas
e só depois
caminha
porque para além dessa linha
há um mundo que te espera
e uma voz que te diz
solta as palavras
que te beijam a alma.

© E. Vieira

Um sítio que recomendo

18.11.05 | Rosa Silva ("Azoriana")

Há mais de três anos, SONETOS.COM.BR surgiu com o objetivo de criar uma comunidade de poetas que apreciam tão nobre tipo de composição, o soneto.
Este sítio cresce de dia para dia e conta com um número imenso de sonetos, mais de sete mil.
Hoje, eu fiquei feliz com um presente que surgiu na minha caixa de correio. Agradeço publicamente ao seu autor, o Poeta Bernardo Trancoso, que deu asas a tantos sonhos.
É este apaixonado por Sonetos, que nos diz: Semeando a poesia, manteremos acesa a chama do amor, sentimento este que nos caracteriza como únicos no universo.

Homenagem...

A Bernardo Trancoso
Um poeta amistoso
Um abraço especial
Da ilha de Portugal.

Uns versos lhe dedico
Porque contente fico
Tomei gosto à poesia
Que conforta o meu dia.

Que Deus lhe dê saúde,
paz, satisfação amiúde.
A
"Sonetos" faço homenagem
a razão desta mensagem.

Peço-vos que o visitem
Os olhares por lá fiquem.
Que linda
descoberta
Com porta sempre aberta!

Azoriana

Tratamento requintado

17.11.05 | Rosa Silva ("Azoriana")
align=left>burro jumento

I
Um animal em vias de extinção,
Merece tratamento requintado
Com excelências ou talvez não
O principal é ser alimentado.
II
Os burros jumentos da Terceira
Já são quase uma raridade
Mas eu soube de uma maneira
De lhes dar solidariedade.
III
Quando houver sobras de pão
As tais carcaças continentais
Enche-se um saco de mão
E leva-se para seus quintais.
IV
O "Beethoven" é um desses animais
E sabem o que lhe aconteceu?!
Vive com "regalias" excepcionais
E do pão que alguém lhe deu.
V
Dizem que ele fica eufórico
Quando lhe cheira o petisco
Claro que o bicho não é rico
Mas sabe-lhe tão bem esse isco.
VI
Na minha casa não há fartura
E o pão é remédio santo
Mas quando a côdea fica dura
Dentes de burro nem fazem espanto.
VII
Por isso, hoje tem boa merenda
Este burro até vai sorrir
Vai receber esta minha prenda
E o vizinho é que o vai ouvir.
VIII
Se ele fizer muito barulho
E o vizinho disso não gostar
Arranje tal papel de embrulho
E à porta d'alguém vá entregar.
IX
Sei que o dono não gostará
De tal feito extraordinário
Ainda bem que não sou de lá
Para lhe escrever um diário...
X
Melhores cumprimentos lhe mando
Espero que goste do presente
Adeus inté nem sei quando
Volta e meia ficas contente.

Azoriana




















































Notícias

17.11.05 | Rosa Silva ("Azoriana")

Relativamente ao artigo anterior - Repentinamente..., informo que não faleceu ninguém da minha família. Escrevi-o num momento, quando soube de uma partida, recente, de uma pessoa que conhecia.
Sou sensível perante estes e outros acontecimentos. Mexem-me com o coração.
Não pretendo ser dramática mas é a realidade da vida com uns dias tristes e outros alegres. Se calhar há mais de uns que de outros. Um blog é um depositário de vivências e a vida e morte fazem parte integrante do nosso dia-a-dia.
Espero que o sol traga alegrias num tempo de contenções e notícias menos boas.
Haja saúde.

sol virado para a Terceira

Azoriana

Pág. 1/3