Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Açoriana - Azoriana - terceirense das rimas

Os escritos são laços que nos unem, na simplicidade do sonho... São momentos! - Rosa Silva (Azoriana). Criado a 09/04/2004. Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores. A curiosidade aliada à necessidade criou o 1

Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(940...pausa... 981)

Motivo para escrever:

Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********

Com os melhores agradecimentos pelas:

1. Entrevista a 2 de abril in "Kanal ilha 3"



2. Entrevista a 5 de dezembro in "Kanal das Doze"



3. Entrevista a 18 de novembro 2023 in "Kanal Açor"


**********

Moldura de beleza

30.06.06 | Rosa Silva ("Azoriana")



As rosas terão sempre tal beleza
Ornamentam alegria e tristeza
É assim onde quer que as encontremos
Uma dádiva de amor que colhemos.

Rosas antevi de mão portuguesa
Por fios sem espinhos, concerteza,
Às pétalas que um sorriso demos
Alegram o dia que as recebemos.

Linda cor que sobressai na moldura
Quando lhe tocas floresce doçura
Num escarlate que ninguém dispensa.

Rubras rosas têm toda a diferença
Perfumam-nos versos, sonho e paixão
Nasce um jardim em nosso coração.

Rosa Silva ("Azoriana")

Em http://www.sonetos.com.br/sonetos.php?n=8025

Índice temático: Pétalas da Serretense

 

Nota: Após ler um poema da autoria de Rogério M. Simões e de ver esta bela imagem resolvi escrever este artigo em jeito de homenagem à beleza do poema, publicado no blog "Poemas de Amor e Dor", intitulado "BENDITA ROSA, MIMOSA EM CETIM".

"Cantinho do Céu"

30.06.06 | Rosa Silva ("Azoriana")

Hortensias junto às pedras do cerrado

Nasci num cantinho do céu!
Por entre beijos das flores e acenos dos passarinhos.
Cresceu em mim uma vontade de voar
Quis saber se no mundo tudo era igual ao meu cantinho
Mas nem sempre a resposta era uníssona.

Fui para outros lugares
Até naveguei pelos mares
E experimentei a sensação dos pássaros
Estive perto das nuvens
E foi aí que me apercebi que o pontinho onde eu nasci
Perdia-se na imensidão global.

Então para saberem que ele existe,
Por vezes sob um tecto de nevoeiro
Mas com a Luz de uma Mãe com séculos de Amor,
Comecei a falar dele à luz do meu conhecimento.
De repente, percebo que, afinal, este cantinho,
Da minha infância e juventude,
Se avista mais longe do que eu imaginava
E está presente em mim
Faz parte de mim
Mesmo estando ausente dele,
E atraiu o encanto do mundo.

Agora posso dizer:
Nasci no cantinho do céu,
Na pequena serra,Serreta.

Azoriana

Festas do Império da Caridade - Corpo Santo

29.06.06 | Rosa Silva ("Azoriana")

Noite de Cantoria

Império da Caridade

I
Minha voz não foi talhada
P'ra cantar assim na rua
Caneta é mais afinada
Se alta já vejo a lua.
II
Sempre que há cantoria
Meus ouvidos ficam alerta
Sinto uma grande alegria
E o riso me desperta.
III
Se a quadra corre bem
E o tema não azeda
As palmas já sei que têm
E garantida a moeda.
IV
Tive uma felicidade
Um ano está a fazer
Ao Império da Caridade
Umas quadras fui dizer.
V
Disso não houve alarido
Nessa noite de estreia
Corpo Santo em sentido
Atenta vi a plateia.
VI
Fui a medo apresentar-me
Ao Mota, bom cantador,
Ele logo quis levar-me
Ao "palco improvisador".
VII
N'aventura tive sorte
Declamei meu improviso
Sei que não perdi o norte;
De treino sei que preciso!
VIII
De novo, os cantadores
No "palco" do Corpo Santo;
Nas cantigas são doutores
Seu desafio meu encanto.
IX
Que o Esp'rito Divino
Ilumine a cantoria;
O mérito é masculino
Prevalece a autoria.
X
Terceira fica contente
Convosco festa animada
Um abraço sorridente
A todos muito obrigada!

Azoriana

Amor e Dor

27.06.06 | Rosa Silva ("Azoriana")

Eu vi na minha mãe assim um sofrer,
Na dor que amanhece e prossegue avante.
(De esclerose múltipla até morrer,
Mas do amor de Deus nunca foi distante).

Foi uma dor que não via escurecer,
Na cadeira que a fazia caminhante,
Escutava a chegada do bem-querer,
Na luta pela vida ir p'ra diante.

Deixou-nos um legado extremoso:
Entre mar e terra Deus é união;
Amor e dor chama-nos à oração.

Se um dia, o céu luzir, for mais formoso
E as nuvens revelarem a estrela,
Assim, sem dor, que bom seria vê-la!

Rosa Silva ("Azoriana")

 

Em http://www.sonetos.com.br/sonetos.php?n=7993

Índice temático: Serreta na intimidade

 

Nota: Escrevi isto depois de ler isto. Deus ama todos aqueles que sofrem. É essa a minha esperança.

 

Vi-o publicado aqui sem a menção da autoria o que acho ser de mau tom. Não custa nada colocar a autoria do que se publica de outrém.

3º aniversário de "Foguetabraze"

25.06.06 | Rosa Silva ("Azoriana")

Três anos para um bloguista é uma vitória!
Hoje, Nuno Barata merece festa e aplausos.
Com criticas ou elogios sempre foi (e é) um homem que nunca arredou escrita e está atento a tudo e todos.
Está no topo da blogosfera regional porque três anos e com as visitas que já por ali passaram, quer queiram ou não, está no topo e será sempre o maior bloguista, independentemente das "bocas" afectivas ou agressivas que vai recebendo.

Muitos Parabéns!

Este blog "fogotabrase" merece troféu.


O champanhe importei daqui.


Um abraço da Rosa Maria (Azoriana)

A Coroação

25.06.06 | Rosa Silva ("Azoriana")

As Festas Sanjoaninas de 2006 estão no seu último dia.

A parte da manhã foi dedicada à Coroação que iniciou o seu Cortejo desde a Igreja da Misericórdia, na Rua Direita, seguindo para a Rua da Sé até à Sé Catedral, onde decorreu a Eucaristia com a presença de representantes das várias freguesias da ilha, de fora da ilha e de Santa Catarina - Brasil.

Depois, o Cortejo seguiu até à Rua de São Pedro onde se seguiu a função. As mesas ocupavam uma grande parte da rua e estavam aguardando as milhares de pessoas para o grande banquete de Sopas do Espírito Santo.

Fui até lá apenas para participar na Eucaristia e colher algumas imagens. Deixo-vos um link para apreciarem as que consegui.

clique na imagem para ver as restantes

Até às 24 horas ainda decorrerão mais festejos. O espectáculo piro-musical encerrará estas maravilhosas Festas Sanjoaninas de 2006. A nostalgia já me invade porque não gosto de despedidas sejam elas quais forem. Mas a vida continua e outras festas virão ainda este ano.

Brevemente falarei de outra Festa religiosa que amo muito.

Por agora, dou por encerrado este tema com os meus sinceros Parabéns à Comissão das Sanjoaninas e a todas as pessoas que trabalharam afincadamente nos bastidores da Festa e que provavelmente nem conseguiram ter descanso para a ver.

Bem hajam!

Espera de Gado

24.06.06 | Rosa Silva ("Azoriana")



Sob um sol apaixonante
Qu'a São Pedro mostrou agrado
Em cada firme mirante
Espera-se o bravo gado!



Os dons do Santo Espírito
Na partilha da amizade;
Num arraial longo e bonito
D'Alegria na cidade.

As colchas vestem varandas
As gentes são sempre novas
De cá e de outras bandas
Rumam ao Alto das Covas.



A rua está satisfeita
N'abundância de cores
À visão mais que perfeita
Junta-se gosto e sabores.

Nas casas as mesas postas
Dão-se «Vivas» aos petiscos
O «toiro» que sei que gostas
Investe rente aos mariscos.



Ó Angra, desta Terceira,
Cidade de coração,
Gado bravo na cimeira
No dia de São João.



Toiros em grupo e a solo
Desfilam em mil sentidos
Às tapadas eu me colo
Gosto deles assim unidos.



Alto das Covas, o centro,
Que deste posto não via,
Só resta gritar: - Vá dentro!
Dá-se o mote à «cantoria».



Marido da Chica e amigo,
Fazem sair gargalhadas
Viola que traz consigo
Enriquece as desgarradas.

Estes dois tão animados
Espantam qualquer tristeza
Com versos improvisados
Na garganta bem acesa.

Em todos provocam riso
Nesta ponta divertida
Mais tarde limpa-se o piso
Que me deixa distraída.



E nestes versos à toa,
Tingidos com emoção
Num abraço que apregoa:
É esta a nossa paixão!

Rosa Silva ("Azoriana")

Noite das Marchas de São João

23.06.06 | Rosa Silva ("Azoriana")

Beijinhos doces com sabor a alfenim
Porque a festa já vai quase no fim.
Estou com pena, as férias também...
Já vem o dia que trabalhar convém.
Mas se São João no canto da rua
Sorrir para o povo que p’ra ele actua:
Angra do Heroísmo ficará agradecida
E a sardinhada em alegria servida!



A noite mais longa aguarda a Marcha
E o tom do sorriso estampado na faixa.

As ruas de Angra enchem-se a preceito
P'ro São João dá-se sempre um jeito.
Ninguém fica de fora no verso que faço
E p'ra Comissão deixo o meu abraço.
À Presidente, com simpatia fica escrito,
O agradecimento à jovem Susana Bendito!

Azoriana

Pág. 1/4