Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Açoriana - Azoriana - terceirense das rimas

Os escritos são laços que nos unem, na simplicidade do sonho... São momentos! - Rosa Silva (Azoriana). Criado a 09/04/2004. Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores. A curiosidade aliada à necessidade criou o 1

Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(940...pausa... 981)

Motivo para escrever:

Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********

Com os melhores agradecimentos pelas:

1. Entrevista a 2 de abril in "Kanal ilha 3"



2. Entrevista a 5 de dezembro in "Kanal das Doze"



3. Entrevista a 18 de novembro 2023 in "Kanal Açor"


**********

Imagens são Relíquias...

30.09.08 | Rosa Silva ("Azoriana")

O Olhar da Fotaçor
Às Festas e Romarias,
Preserva grato esplendor
Dos momentos desses dias.

Do Pézinho não me farto,
Nem tão pouco da Cantoria
P'ra gravar o nobre “parto”
Há que ter fotografia.

Fui na senda das imagens
Lá da Festa do Bretão,
Encantei-me com as viagens
À Rua de São João.



Vi as fotos uma-a-uma,
De quem tem por profissão
Deixar sempre mais alguma
Prova de Recordação.

E não é que vi a Rosa
Junto a tais pessoas belas
Numa postura jeitosa
Ao pé de Eduíno Ornelas?!



É um cantador vizinho
[Fui nascida na Serreta]:
Ele canta p’lo Raminho
Eu quando me der veneta...

Mais veneta ele tem
Precisa é de grande fita
P'ra medir o que lhe vem
De uma forma inédita.

Se um dia cantar com ele
Vou ver se também estico
Versos grandes como os dele,
E sozinha eu não fico.

Foi graças à ocasião
Que passei na Quinta-feira,
Que mirei com atenção
O Fotaçor da Terceira.

É que ser profissional
Dos retalhos duma vida
Fez o verso especial
Vir à tona e à medida.

E se isto não fizer
Graças à minha caminhada...
Mal também não vai fazer
Porque a mim não custa nada!

Os versos saem aos pares
Mesmo sem ser Cantoria,
E às fotos exemplares
Ergo a taça da alegria.



(Clique na imagem para ampliar
e visualizar o conjunto
de imagens da Fotaçor
Angra do Heroísmo)

Obrigada!

Rosa Silva (“Azoriana”)

Figuras

30.09.08 | Rosa Silva ("Azoriana")

O que lembro de Camões
São as "armas e os barões"
Da minha dificuldade;
A pequena da Serreta,
Que vinha de camioneta,
Decorava-o, noutra idade.

Hoje, tudo de mim voa,
Não sou a mesma pessoa,
Nada retenho na mente.
Vão à solta meus escritos
E se os acharem bonitos,
É porque neles sou crente.

Digo com toda a franqueza
Gosto de ser portuguesa,
Muito mais açoriana;
E se isto for pecado
Espero me seja perdoado...
A bandeira não engana!

E Nemésio bem nos fica,
Com poesia tão rica,
P'ra quem o soube estudar.
Ele é inconfundível,
E na rádio era audível:
"Se bem me lembro", no lar.

Rosa Silva ("Azoriana")

Post .Scriptum:

Cansam-me os dias cinzentos, sem rima. Alegra-me a toada do mar na lua cheia da vida. Uma imagem da lua também me encanta, apaziguando os silêncios de voz alta. Durmo em relâmpagos de sonhos, sem descanso. Acordo num mundo redondo e escorrego na linha do horizonte e caio. A rima é que me dá a mão e salva-me com os sorrisos frescos... Procuro-lhe o rosto, sem sucesso, porque o meu está cansado. Volto a adormecer, na tentativa de encontrar a claridade da lua cheia como a que vejo presa em fotografia.

Há uma paz breve porque a lua, se cheia, traz-me a identidade. Sou do luar e gosto de rimar, na redonda ilha que me sossegou no berço da terra alta, junto à pequena serra que avista o mar, de mãos postas... Vejo sempre a terra e o mar de mãos postas. São manias visuais que só uma ILHOA pode ter. Só agora me passou pela cabeça este feminino singular de ILHÉU depois do Mestre me ter chamado a atenção para o meu sentir ilhéu. Ele é que tem razão e faz-me feliz por me dar a educação das vírgulas. As vírgulas que raramente coloco no lugar certo... São pecados de uma ilhoa que gosta da lua cheia e escreve à toa.

Se eu fosse...

30.09.08 | Rosa Silva ("Azoriana")

Como aquela dupla fantástica (mais o lagartinho) do "Arnaldinho Pergunta...? ...!", que costuma vir no jornal "A União" e que eu adoro ver e ler, e se eu soubesse desenhar até que fazia um quadro com algo assim:

1ª:
- Já viste aquelas imagens que saíram no blog da Azoriana?!
- Ainda não... Podes adiantar o que se passa?!

O lagartinho pensa: "Eh, hôme!"


- Não vou adiantar nada para não ires a correr daqui para fora...
- Então, porquê?...

O lagartinho pensa: "Querem ver que..."


- Não digo, não digo e não digo!...
- Agora é que vou mesmo a correr...

O lagartinho pensa: "Hôme... também eu..."

Mas como não sou jeitosa para "plagiar" tais desenhadores e tais crónicas, fico-me por aqui à espera da chegada dos que vêm a correr... hehehehehe

A novidade segue dentro de algumas horas...

Recordações: Cartas para e da Califórnia

29.09.08 | Rosa Silva ("Azoriana")

29 de Setembro de 2008

Carta para a Califórnia

Querida amiga Joanina,

Deves estar admirada de eu não escrever-te. Não é por mal mas porque hoje ainda não desci à terra, parece que ainda ando no céu das cantorias. Pois senta-te bem que eu vou tentar contar-te tudo como foi.

Saí do serviço por volta das 16 e tal. Fui a casa vestir-me melhor pois já previa que a cerimónia caseira fosse de requinte. Entretanto chegou o meu acompanhante e fomos de táxi até ao Pezinho da Casa de Luís Bretão. Foi fácil encontrar a casa que está até identificada com uma placa pequena no portão de entrada. Toquei a campainha e apareceu um moço, que vim logo a saber que é o filho do próprio. Muito simpaticamente disse-nos que entrássemos porque a porta estando aberta é sempre em frente e entra toda a gente. Assim foi. Entrámos devagarinho. Eu ia na frente e o meu olhar procurava o que já tenho por grande amigo - Luís Bretão… Avistei-o logo e alarguei o sorriso e o passo. Cumprimentei-o e ele retribuiu o cumprimento muito feliz. Estava nas suas quintas, como se costuma dizer. Presenteou-nos logo com uma fita alusiva ao evento e apresentou-nos o seu quase museu de cultura. Por todo o lado se viam lembranças e recordações do seu mundo fantástico de interesse pelo que é genuinamente regional e nosso. Que maravilha! O meu olhar perdeu-se de amores por aquele momento. Estava como que hipnotizada de encanto.

Já lá estavam algumas pessoas e, entretanto, foram chegando outras. Muitas caras conhecidas de um nível social bem diferente do meu mas, naquela casa, tudo parecia conhecer-se independentemente de ser A ou B. Alegremente se conversava e os sorrisos abriam-se de par em par.

À medida que se ia avançando na tarde eu sentia assim os tais nervos miudinhos, de vez em quando, mas eram atenuados pela palavra amiga de Luís Bretão que vinha saber como eu me sentia. Da mesa repleta de iguarias, queijos e doces, ia-se tirando uns nacos de confraternização. Aquele salão de amizade estava cheio à cunha. Até no exterior, o pátio transbordava de gente.

Mais tarde, já a noite avançava sem se dar por isso, chegaram os tocadores e os cantadores convidados e presentes no desfile do tradicional Pezinho de São Carlos. Aqui sim, eu senti como que um estrondo em mim.

- É agora! Meu Deus, chegaram todos. Que lindo! Pensava eu. A cena não podia escapar-me. Cumprimentos, sorrisos, abraços, euforia total de fotografias e gravações para ficarem cá e para irem para o estrangeiro pela mão do senhor Brum que vem sempre do Canadá na senda destes amores.

E lá estavam todas as caras que eu já conheço e que já parecem ser da família – os Cantadores da Terceira.

No meu canto, fui tomando atenção a todas as palavras que Luís Bretão ia, apressadamente, aplicando a cada homenagem que fazia e foram tantas que não consigo enumerar. O que interessa é que todas as áreas de educação, desporto, cultura, emigração, amizade, etc. foram contempladas na pessoa dos seus amigos que iam sendo chamados, um a um, para receberem uma lembrança feliz.

Depois, chegou um momento que me senti corar… Ouvi o meu nome e perante aquela gente toda, aventurei-me a dizer o que vou tentar lembrar e apercebi-me do carinho de quem me rodeava:

Eu até estou a tremer
Com tão linda saudação
Só lhe quero agradecer
Do fundo do coração.

Sem violão e viola saiu-me esta quadra. Podia ter feito melhor mas foi o que me saiu naquele momento. Perante isto chamaram-me para junto dos cantadores. Tinha que botar cantiga, pelo menos uma, que era a decisão unânime dado o atraso para a cantoria que ia decorrer junto ao Império de São Carlos com os cantadores habituais.

As pernas tremiam mesmo. O coração batia forte. Mas, por incrível que pareça, estava tranquila. Afinal isto deve ser fácil, pensei eu. Estou ao pé de gente que já sabe deste meu gosto pelas cantorias, o resto seja o que Ela quiser.

O Mota foi dos primeiros a saber deste meu gosto. O Eliseu anda como que inquieto para me colocar uma das suas quadras que me farão tremer ainda mais. O João (Retornado) até me deu uns bons conselhos. O Paulo Lima só se for em eventos mais reservados pois nunca o vi cantar nos arraiais, mas canta muito bem. O João Ângelo é um caso excepcional e julgo que é um privilégio para quem cantar com ele (Ai se eu tremia, claro que ia tremer como varas verdes…) O José Fernando é o que se aproximou de mim e ficou contente por me ver ali disposta a cantar. Lembrarei sempre disso. Lembrarei também que o Eduíno do Raminho me reconheceu por ser filha do Carlos Picaroto, que vivia na freguesia vizinha da dele. Ele também esteve presente em Maio de 2004 na Briança da minha irmã, na Serreta. Deu-me muita força e coragem. Os nomes que não identifico agora e que lá estavam, não é por mal, é porque não os conheço bem. Nesses que não identifico há um que um dia, se cantar com ele, terei motivos para chorar em público. Ele canta de uma maneira que gosto muito. Não vou revelar porque o segredo é a alma da cantoria.

Quando acabaram de cantar lindas quadras de homenagem a Luís Bretão, este certamente estava com o coração em brasa porque o rosto transbordava de contentamento. Presenteou todos com 5 sacos de lembranças regionais, com a ajuda das pessoas que faziam parte da organização e da comissão das festas do Império de São Carlos. Um desses senhores conversou depois comigo e como é pai de um colega de serviço ainda me chamou mais a atenção. Se não me falha a memória o nome dele é Marcelino Gaspar e notei logo que é um amante de cantorias ao desafio e segue-as com dedicação.

Estava tudo impecável. Os agradecimentos foram tantos que julgo terem tirado o sono ao que eu chamo de Padrinho das Cantorias. A emoção era forte demais para se conseguir dormir sem que o sonho nos fizesse reviver os melhores momentos.

Quando já vinha na volta para casa, e depois de ver a belíssima Exposição de fotografia de André Pimentel, que até vim a descobrir que é filho de pessoas que eu conheço desde infância, e depois de ouvir os duetos de cantadores no palco da Cantoria e aplaudir entusiasticamente, o meu pensamento continuava lá e no meio dos cantadores.

Tentava não esquecer a minha primeira quadra cantada… Acho que foi assim:

Hoje agradeço o convite
Que me fez Luís Bretão
Aguçou-me o apetite
Para a melhor ovação!

Não sei quando voltarei ou se voltarei a cantar ao vivo e enfrentando outros públicos…; não sei se vou conseguir fazer o que um senhor do folclore regional me recomendou para que eu saiba atinar e ir de encontro à música própria e tradicional do Pezinho ou Cantoria; não sei se a minha voz vai aguentar um serão inteiro a cantar; mas o que sei é que mesmo que não volte a tais desafios, dou-me por muito feliz por ter aceite este magnífico convite e por ter abraçado e beijado no rosto o homem que acredita que a nossa Região tem uma marca preciosa: o Amor pelas Cantorias e pelo que é genuinamente nosso, a nossa Cultura repleta de dons.

O Cantar ao desafio em improviso é o melhor dos dons que Deus pode dar a uma pessoa, seja ela homem ou mulher. As mulheres não se aventuram tanto a subir aos palcos mas houve uma que serviu de exemplo para todas: a D. Angelina Sousa Turlu. Não é senhora do meu tempo mas quando conheci as suas relíquias fiquei para sempre fã.

Talvez lá do Céu ela me tenha acenado… Vi isso no olhar de Luís Bretão. Agora estou a chorar, acredita amiga Joanina… A chorar porque ontem não consegui e estava como que hipnotizada. Este choro é daqueles que se chama saudade e nostalgia por não ter abraçado a D. Angelina. Ela iria entender-me na perfeição tal como me entende Luís Bretão…

Angra do Heroísmo, 29 de Setembro de 2008
A Cagarra da Terceira

Cantoria
Melra Preta "Amaricana"
e "Cagarra Azoriana"

 
O Improviso da Jo!

Ontem lá para a noitinha,
Estava eu na casa minha
Veio-me uma inspiração
Dei logo um pulo da cama
Fui a blog da
Azoriana
E fiz-lhe uma canção.

Agora cheguei a casa
E trazia um grão na "iasa"
E ânsias para rimar
Já fiz quadras e sextilhas
Tudo à conta das rosquilhas
Onde é que isto vai parar?!

E as rimas a sair
E eu finada de rir
Com esta nova faceta
Mas a culpa não é minha
É toda de minha madrinha
E dos ares da Serreta.

Eu fico admirada
Até como arrepiada
Com mais esta sintonia
Estou até hesitante
Isto é sorte de principiante
Ou “torresmo d' agonia”?

Se eu cantar ao desafio
Com minha voz por um fio
A minha sorte é tirana
Mas nome eu já escolhi
Não arredo pé daqui
É Melra Preta “Amaricana”!

Joanina, a "Amaricana"
20 de Maio de 2008
 
 

Ao primeiro improviso da Jo!

Melra Preta "Amaricana"
A "Cagarra Azoriana"
Perdeu agora o seu pio...
Por momentos eu pensei:
Querem ver que eu sonhei
Com a Jo ao desafio?! :)

Já te peguei a veneta,
Que se cria na Serreta
Juntamente com a rosquilha.
Tua rima é asseada
E já vem abrilhantada
Com a ave cá da ilha.

Teu desafio - o Primeiro,
Faz-se assim neste terreiro
Com foguetes a estalar.
Cá p'ra mim eras artista
Tinhas veia repentista
E não querias revelar.

Já me estou a recompor
E vim a todo o vapor
Vigiar a tua arte;
À história deste dia
Faço a vénia em cortesia
E Parabéns quero dar-te.

Essa melra é toda negra,
E a minha foge à regra
E à noite é que canta...
Não te vou deixar dormir
E quando parar de rir
Vou afinar a garganta.

"Cagarra Azoriana"
20 de Maio de 2008

 

Ó Cagarra toma calma
A rima a ti esta-te na "ialma"
E a mim só vem por momentos
Eu para te acompanhar
Vou ter que me esforcar
E já sinto afrotamentos

De tanto de ver rimar
O jeito fui apanhar
E entrei nestes compassos
Mas ‘inda rimo devagar
E estou-me a inquietar
P’ra dar os primeiros passos

Eu aceito o desafio
Espero não perder o pio
E estar à tua altura
Mas se tal me acontecer
À bruxa hei-de ir ter
Para levar benzedura

É que agora que já rimo
E com os versos atino
Gostava de assim ficar
Cantar assim à maneira
Contigo à minha beira
E xipápum, foguetes p’r’o ar!

Só tenho uma pensão
Que me assombra o coração
E me faz ficar em brasa
E se eu agora ficar
Todo a dia a rimar
E me esquecer da casa?

E se não faço o jantar
Deixo de a roupa passar
E entro nesse desleixo
Ai que triste sina a minha
Pobre de mim, coitadinha
Mas que infeliz desfecho!

É que já estou a ver
À Terceira eu ir ter
Com as malas de cartão
O husband vai-se fartar
A net vai desligar
E mete-me no avião!

Mas eu também não me importo
E tudo eu sei que suporto
Venha lá o que vier
Agora que já sei rimar
Ninguém mais me vai parar
Melra Preta até morrer!!

Melra Preta "Amaricana"
a cantar com a "Cagarra Azoriana"
20 de Maio de 2008
 

 

Segui a cantiga a eito
E não encontro defeito
Nessa tua nobre estreia.
O pior são os maridos
Com os olhos bem compridos
A assistirem na plateia.

São eles a cozinhar
Para nos ouvir cantar
À tona destes artigos:
O pior são os tomates
Que vão "guindá" dos açafates
Com ar de poucos amigos.

E se tu fores à bruxa
Vê lá se ela te puxa
Mais sextilhas nesta moda;
Estás pronta para a dança
Não percas a esperança
Nem fique a cabeça à roda.

Enquanto a gente aqui canta
Ninguém nesta casa janta
À espera desta resposta:
Já fizeste todos rir
Como vai ser para dormir
Se nossa gente até gosta?!

Agora fico eu feliz
Porque não és aprendiz
E cantas bem, sem demora;
Deixa lá a casa da mão
Pega na mala de cartão
Com o husband vem embora.

Vens às nossas Sanjoaninas
Vês meninos e meninas
A desfilar na Rua da Sé.
E trazes o teu bichano
Que o povo açoriano
Gosta de gatos ao pé.

Um "ice-cream" vamos comer
Algodão-doce a verter
Nas mãos pela rua acima.
Na rica iluminação
Dão-se "Vivó's" a São João
Que a rima tanto estima.

"Melra Preta até morrer"
Na rima que está a fazer
Está pronta pró arraial...
'Inda te vão convidar
P'ra no palco improvisar
Nessa noite maioral.

"Cagarra Azoriana"
a responder à Melra Preta "Amaricana"
20 de Maio de 2008
 

 

P’r’os maridos tenho cura
Coisa de muita procura
E de pouca ralação
Cada um num tabuleiro
A ver qual o que vai primeiro
Faz-se uma arrematação!

E em cima do palanque
Que há-de ser coisa bem estanque
Para que a gente não cair
Põe-se também os tomates
Que estão nos açafates
E o que mais está para vir.

No meio do desafio
Quando eu estiver sem pio
Tu bota de arrematar
E estas bravas cantadeiras
Já arranjaram maneiras
De os tomates rifar!

Pois aqui está na mesma
Eu estou como uma lesma
E só penso em rimar
Hoje vai ser daqueles dias
Que está a ir pelas vias
De o husband não jantar.

Pois há-de ter paciência
Que isto tem sua ciência
E eu nem sequer almocei
Estou agarrada à rima
Que não lhe saio de cima
Olha que eu nunca pensei!

Tu não me dês a ideia
Que então nem jantar, nem ceia
De eu para as festas me botar
É que eu nas malas agarro
E mais veloz que um cagarro
À Terceira vou parar!

E levo a cadeirinha
Que eu já estou velhinha
Para armar na Rua da Sé
Tu já tens tudo “pansado”
O husband fica ao lado
E o gato fica ao pé

Agora fico a ferver
E até estou toda a tremer
Com a ideia primeira
Quem sabe arranjo um contrato
Faço como o Malato
E vou rimar p’ra Terceira?

O husband está a chegar
E vou ter de disfarçar
Fingir que está tudo normal
Se sonha que o quero rifar
Ainda fica a espumar
E vai parar ao hospital!

E embora o queira rifar
Não me dá jeito ficar
Com o "home" aleijado
Por agora vou parar
Embora com muito pesar
Mas vou pregar p'r' outro lado

Adeus madrinha querida
Que me mostraste esta vida
A vida de cantadeira
A ti devo a descoberta
Que agora já é certa
De rimar desta maneira

"Melra Preta Amaricana"
a responder a "Cagarra Azoriana"
20 de Maio de 2008

 

Olha se arrematação
Nos levanta o alçapão
Vai-se o melro e o cagarro...
Depois não temos saída
Ambas de asa partida?!
Não é desta que desgarro :)

E bem vista a ocasião
Mais vale o pássaro na mão
Que ver os dois a voar
E no meio da cantoria
Vão fazer-nos companhia
Violas lhes vamos dar :)

E para dar o arranque
Vamos p'ra cima do palanque
Com os ditos arrematados:
Levantamos bem a asa
A cantiga extravasa
Nestes ares abençoados.

A rima está no papo
Arranjei um guardanapo
Par'aguentar o meu riso.
Olhem bem esta Melrinha
Da Cagarra boa vizinha
No que toca ao improviso.

Já veio outra rodada
Sextilha em debandada
Onde o humor transparece.
E esta noite sonhei
Que p'ró palco me botei...
Ai Jesus se isto me aquece?!

No feriado desta terra
O Corpo de Deus descerra
E há em Angra cantoria:
P'rós lados do
Corpo Santo
Celebram o Espírito Santo...
Se viesses, a gente ia. :)

A Melra Preta "Amaricana"
E a Cagarra Azoriana,
Nem que seja em pensamento,
Vão estar cá deste lado;
Vens num voo bem picado
P'ro Corpo Santo e São Bento.

Depois ficas mais uns dias
Em São Pedro e outras vias
P'ra cantar ao desafio.
E de cá não abalavas
Ficavas para as touradas
Qu'este ano são a fio...

Prepara bem tuas malas
E p'ra Terceira abalas
Com toda essa euforia...
Lembra-te que a rosquilha
Abriu caminho p'ra ilha
Com sorte p'ra cantoria.

Podes trazer cadeirinhas,
Que eu também 'tou velhinha,
E amarras à Rua da Sé:
Em frente à Catedral
Verás todo o arraial
Com teus gatinhos ao pé :)

Fazes as vezes do Malato
Com o teu negro fato
E um belo dum sorriso:
Vens rimar para a Terceira;
És esperta cantadeira,
Tens o dom do improviso.

Obrigada! E vou parar,
Embora esteja a rebentar
P'ra seguir com as cantigas:
Viva a prima Vitorina
Que fez rosquilha tão fina
P'ro "bodo" destas amigas!

"Cagarra Azoriana"
na 3ª resposta à "Melra Preta Amaricana"
21 de Maio de 2008

 

Hoje não atino a nada
Estou como "espravoada"
De tanta rima fazer
De noite enquanto dormia
Rimas, mais rimas fazia
Isto assim não pode ser!

Toda a noite eu rimei
E o husband espantei
Co’ este meu novo talento
Ele só abria a boca
E não era coisa pouca:
“Oh melher, tu toma tento!”

Venho o blog espreitar
E nem quero acreditar
No que eu estou a ler
Cagarra num comentário
Ja nos traçou o fadário
Que uma página vamos ter!

Isto é coisa asseada
Agora náo falta nada
Já temos tudo no papo,
A Cagarra a rimar
Melra Preta acompanhar
Tudo na página do SAPO!

"Melra Preta Amaricana"
a responder a "Cagarra Azoriana"
21 de Maio de 2008

 

Também estou "espravoada"
Agora não tarda nada
'Inda vai nascer teu fado;
Tu que cantas muito bem
Talvez conheças alguém
Com guitarra p'ro teu lado.

Na cama não descansei
Sonhei, sonhei e sonhei
Que vinhas ao Corpo Santo.
Já tinhas montes de fãs
E bifanas nas certãs
Para o povo qu'era tanto.

Melra Preta tem talento
E não perde um momento
Para "botar" sua rima.
E de cada comentário
Vou a correr ao fadário
Que nossos selos encima.

Será que o SAPO já viu
A obra que se abriu
Numa dupla asseada?
Vou chamar sua atenção
Com padrinho em acção
Fica a marca "rezistada".

A "Carraga Azoriana"
responde ao "rezisto"
da Melra Preta "Amaricana"
21 de Maio de 2008


A Rosquilha da Terceira é o mote para a Cantoria

@2008. HTTP://OBLOGDAJOANINA.BLOGS.SAPO.PT E
HTTP://SILVAROSAMARIA.BLOGS.SAPO.PT

Nosso padrinho é o SAPINHO:



Para a Melra Preta “Amaricana”


P.S. Um dia, quando eu cá já não estiver, diz a meus filhos que os amo muito e também à pessoa que acompanhou este meu sonho porque apesar de não se atrair muito por cantoria, provou, mais uma vez, que o amor move montanhas e no dia 25 de Setembro de 2008 esteve sempre do meu lado. O que posso querer mais? Que Deus me perdoe os pecados de um passado menos bom.

Um grande abraço, amiga Paula Belnavis desta que se assina por
Rosa Silva (“Azoriana”)

Resposta da amiga Joanina

 

Califórnia, 26 de Setembro de 2008

Querida Amiga,

Agora quem chora sou eu!!! Que carta linda esta que me escreveste...

Acho que até nem sou merecedora que alguém me escreva um coisa assim.

As tuas palavras fizeram-me viajar ate a casa do Luís Bretão, pois eu própria, quando fazia parte de um Grupo Folclórico, também tive o prazer e a honra de assistir a um desses Pezinhos. E é tal qual como tu descreves!!...

Fico feliz com a tua felicidade, e tenho a certeza que lá do céu, onde ela está, Trulu, também está feliz por tão bem teres representado a raça das mulheres da nossa terra.

Obrigada por teres partilhado comigo o que viveste, e obrigada por mais uma vez me "levares" contigo, e com as tuas palavras encurtares a distância, e a saudade, que me separa da minha Terceira e das suas tradições!

Beijo grande e abraço apertado da tua amiga,


Paula

************

Artigos relacionados com o evento:

Homenagem a Luís Bretão
E viva Luís Bretão!
Um dia diferente
É hoje, 25 de Setembro!
É na próxima quinta-feira que o meu coração vibrará...

Quadras à solta

29.09.08 | Rosa Silva ("Azoriana")

Se é pouco o que eu faço
Tenta fazê-lo melhor
Se falares do meu espaço
Não o sangres... porque há dor.

E se a tua fatia
For muito melhor que a minha,
Não desprezes o meu dia
Porque o teu p'ra lá caminha.

O humor quando é negro
E no branco vai cair
Fica logo alvinegro
E pode até denegrir.

Nunca leves tanto a peito
A espada que fuzila
Porque há sempre o direito
De contrapor quem refila.

Há quem diga que desprezo
É o melhor na má hora
Quando o corte nos é leso,
Nos fere e nos devora.

Mas desprezo não te tenho     /Tudo é fruto do engenho
Garantido está o humor         /  Que cada alma até tem
E se lês algum desdenho       /   Há também quem tenha empenho
Tenta encontrar-lhe valor.  /    De querer sair-se bem!


Rosa Silva ("Azoriana")


P.S. A propósito de umas coisas que ando lendo. Há uma melodia que se adapta a estas quadras quase na perfeição mas não vou revelar pois podem não gostar.

Belezas matinais e Dia do Idoso

29.09.08 | Rosa Silva ("Azoriana")

Estou contente. Duas mensagens graciosas alegraram a manhã que se escurece pelas nuvens quase chorosas, convidando ao recolhimento silencioso que é desperto pelas toadas "Inter-Ilhas".

Uma das mensagens, relativa ao artigo que intitulei de O Sangue da Uva, é do próprio autor das excelentes fotografias que jamais esquecerei. Todas as imagens são lindas mas as da página 33 fizeram-me soltar quadras imediatas e tive o "feed-back" que me colocou um sorriso grande. Obrigada, caro Magina, pelas palavras tão gentis e agradáveis de se ler.

A outra mensagem é uma surpresa que será revelada o mais breve possível e que causará algum espanto (ou talvez não), depende do olhar de quem verá o que por aí vem... Espero ser o princípio de algo ou, então, o arrumar das botas, como se costuma dizer quando a coisa dá para o torto. Cada um é para o que nasce e eu parece que nasci para rimar.  Bem ou mal isso é outra história mas que sou feliz assim lá isso sou.

E hoje é dia do Idoso. É o mesmo que dizer o dia do Sorriso. Há muitos idosos nas ilhas e além-mar e temos a obrigação de lhes sorrir porque se eles são idosos é porque já deram e continuam a dar um valioso contributo à humanidade. Nunca se despreze um idoso porque ele é o espelho do futuro de todos nós que ainda nos vemos numa fase pré-idosa...

Lembremo-nos que ser idoso é conseguir passar a barreira que muitos jovens não conseguem passar.

Ser idoso é abrir a porta da sabedoria e da experiência.

Bom dia a todos e sobretudo aos idosos.

Agradecimento público a Clarisse B. Sanches

29.09.08 | Rosa Silva ("Azoriana")

 

 

Quadras dedicadas a D. Clarisse Sanches
Poetisa de Góis - Portugal

Quem faz bem neste mundano
Recebe novo tesouro
Que no coração humano
Chega a valer mais que ouro.

Há uma quadra feliz
Que se canta com verdade:
Ajudando, há quem diz,
Ganha-se a eternidade.

Quem se sente predestinado
Para ajudar um irmão
E aceita esse cajado
É Pastor de coração.

Lembro agora os Pastorinhos
Que seguiram sua Mãe
E até pelos caminhos
Rezavam o Terço também.

E há quem faz sua reza
No Outono duma vida
Toda a quadra embeleza
Com o verso-flor garrida.

E nas Glosas coroadas
De uma grandeza d'alma
Serão pra sempre lembradas
Nos ecos da maior palma.

Muito obrigada!
Rosa Silva ("Azoriana")

 

Nota: Os versos que fiz são o agradecimento público dos 2 livros que Clarisse Barata Sanches me enviou: "Góis e seus Poetas - 2ª edição" e "Hinos da Tarde".

E destaco uma quadra que me sensibilizou muito, deste derradeiro título acima escrito:

"Pode o filho estar na cela,
Ser ladrão ou vagabundo,
Mas será sempre p'ra ela
O melhor filho do mundo!"

E esta:

"Coração de mãe, ardente,
Deus fê-lo à prova de chama!
E o facto é bem evidente:
- Quanto mais sofre, mais ama."

Lindas quadras de Clarisse Sanches, autora do blog "Cânticos da Beira - Prosa e Poesia", e com uma mensagem rica.

 

Muito obrigada!

O Sangue da Uva

28.09.08 | Rosa Silva ("Azoriana")

(imagem da net)

O Sangue da Uva

O vinho é sangue da uva
Que sai do lagar a rodos;
Se acenta como uma luva
É quando estamos nos Bodos.

Está vivo em curraletas
E p'rós cestos se entrega;
As uvas brancas e pretas
Sob os pés levam esfrega.

Deste sangue em demasia
E se fresco nos é dado
Provoca tal maresia,
No ventre canta apressado.

Mas Cristo o elegeu
Para ser Sangue de Vida
Todo aquele que o bebeu
Provou da Santa bebida.

Rosa Silva ("Azoriana")

Nota: Este surgiu-me a propósito das imagens lindíssimas da página 33, do livro "O Ciclo do Espírito Santo", Ilha Terceira, Açores, Portugal. Magina. Angra do Heroísmo, Fevereiro 2007.

Sempre que visito o seu Portal...

28.09.08 | Rosa Silva ("Azoriana")

Fico com a sensação que o Espírito Santo ilumina o seu Portal todo tal é o manancial de informação e dedicação que lhe dedica.

Agradeço, sempre, o que de meu publicou e tenho uma enorme felicidade por ver que a Serreta ocupa espaço de relevo, pese embora a freguesia seja pequena em população mas tem uma grande devoção em tudo o que se relaciona com o Divino Espírito Santo e com a padroeira Nossa Senhora dos Milagres.

Serve este artigo para informar que outras manifestações vão surgindo pela blogosfera, de que faço parte, relacionadas com o Espírito Santo e as Festas dos Impérios. Este ano tenho alguns artigos compilados dedicados a Luís Bretão, que reside em São Carlos, ilha Terceira, que foi a personalidade que me despertou outro sentimento e que prova que o Espírito Santo está em toda a parte.

O sentimento, comum a ambos, tem a ver com o gosto pelas nossas tradições culturais, sobretudo na parte que se refere ao improviso das cantigas ao desafio que, nesta altura, ainda fazem parte integrante de algumas Festas dos Impérios, nomeadamente do de São Carlos. Isso faz com que ele reúna pessoas à sua volta para lhes dar incentivo a continuarem plenos de encanto e devoção pelo Divino Espírito Santo, que em cada ilha se comemora de maneira diferente mas com o mesmo amor.

É de louvar todo o trabalho divulgado no “Portal da Festa do Divino Espírito Santo no Brasil e no mundo” pelo Prof. Sergio Manoel. Espero que, mais uma vez, possamos fazer parte desse fabuloso mundo. Obrigada.

Rosa Silva ("Azoriana")

Agradecimento a Luís Bretão

28.09.08 | Rosa Silva ("Azoriana")

Nota prévia: Uma oferta antecipada, escrita de improviso, em 2008/07/23 dedicada à Quinta-feira de S. Carlos, ilha Terceira, Açores, na residência de Luís Bretão, integrada nas Festas do Império de S. Carlos 2008.

As quadras que se seguem não foram cantadas. Foram entregues a Luís Bretão para que ele ficasse com a recordação da primeira vez que fui convidada a estar presente na confraternização que conta 10 anos tendo apenas tido 2 anos de interrupção por motivos de força maior.

Graças a Deus, fico muito feliz por vos puder mostrar o que escrevi e dei pois ambos estávamos vivos nesta data e podemos conhecer o gosto que ambos temos pelas nossas tradições de Pézinho e Cantoria. Então foi assim:

 

"O padrinho da cantoria"

 

Agradeço ao senhor Bretão
Por estar em sua casa;
Do fundo do coração
A cantoria me abrasa.

A São Carlos, os cantadores
Vêm fazer um brilharete:
Esta é a ilha dos Açores
Que merece este banquete.

Luís Bretão homem valente
Com gosto pela cultura:
Dou-lhe versos, mui contente,
Numa ovação de ternura.

Este canto inicial
É do Caminho do Meio,
Num dia especial
De alegria no recheio.

E a todos que aqui estão
Nesta nobre convivência:
Bendigo a ocasião
Que tomo o gosto à ciência.

O «Pezinho» é uma arte
C'roada p'lo Espírito Santo;
Cantadores por toda a parte
Vestem o seu rico manto.

A Turlu, mulher das rimas,
Deixou-nos um bom legado,
P'ra ela louvores e estimas
Da "Cagarra" deste lado.

Mário Pereira da Costa,
Um sobrinho de valor,
Escreveu como se gosta
E plantou no livro Amor!

E na quadra derradeira
Me despeço, sem demora
Sou «Cagarra da Terceira»
Da Serreta fui outrora.

Setembro de 2008
Rosa Silva ("Azoriana")

Pág. 1/8