Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Açoriana - Azoriana - terceirense das rimas

Os escritos são laços que nos unem, na simplicidade do sonho... São momentos! - Rosa Silva (Azoriana). Criado a 09/04/2004. Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores. A curiosidade aliada à necessidade criou o 1

Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(940...pausa... 981)

Motivo para escrever:

Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********

Com os melhores agradecimentos pelas:

1. Entrevista a 2 de abril in "Kanal ilha 3"



2. Entrevista a 5 de dezembro in "Kanal das Doze"



3. Entrevista a 18 de novembro 2023 in "Kanal Açor"


**********

Bom fim-de-semana...

31.07.09 | Rosa Silva ("Azoriana")

Katharine está atenta
A tudo o que vai na praça
Só não sei porque não tenta
Revelar a sua graça
Num blog que bem aguenta
E recolhe o que se traça.

O SAPO é bom amigo
Para urdir a tal ideia
O meu blog é já antigo
E com ele se passeia
Nem sequer me deu castigo
Por falar de cousa alheia.

A diferença de horário
Se projecta entre nós
Mas o mesmo calendário
Leva o que dita a voz
E se fixa no diário
Que nos segue bem veloz.

Quem escreve por vontade
Não teme qualquer desfeita
E p'ra dizer a verdade
Sai-se sempre satisfeita
Por centrar na amizade
O artigo que já espreita.

Nesta nossa ilha Terceira
Que parece uma flor
Faço rimas de maneira
A divulgar com fulgor
O que tenho à minha beira
Seja lá a hora que for.

Obrigada por me leres
E citares meus escritos;
Faz um blog com poderes
Olhando a manuscritos
Com direitos e deveres
Mantendo sempre aos créditos.

Rosa Silva ("Azoriana")

O Abraço das Ganadarias

30.07.09 | Rosa Silva ("Azoriana")
Toiro.jpg

Agricultura e Florestas
E Desenvolvimento Agrário
Agraciaram para as Festas
Um bonito calendário.

Apresentam as Ganadarias
Que reinam na ilha Terceira;
Para os meses e seus dias
Cada um tem fita ordeira.

Julho de dois mil e nove
É o mês do "Tio Humberto"
Que com os seus toiros move
Os de longe e os de perto.

Reside nas Cinco Ribeiras,
É da Ribeira das Cinco
E de todas as maneiras
Merece bem nosso afinco.

Tem marca no coração
Do seu toiro mais falado
Que causou consternação
Ao povo aficionado.

Agora peço o ABRAÇO
A qualquer GANADARIA:
Onze tem seu ferro e laço
Na divisa que a guia!

Branco, verde, azul, lilás,
Castanho, preto, vermelho,
Roxo, amarelo, lindo cartaz,
Das ganadarias espelho.

Viva a nossa Festa Brava
E quem bem a representa
E mais abraços eu dava
A quem nela se aguenta.

Ilha Terceira e Taurina
Que canta festas a eito:
Tem graça e luz divina
E touradas a preceito.

O toiro na corda ou praça
Traz o ferro da bravura
E a divisa que lhe passa
Mostra a cor da assinatura.

Eu já vi muita tourada
Ao vivo e em reportagem
E muita é recordada
Na beleza de uma imagem.

Há imagens de artistas
Que grassam p'la blogosfera;
Vivam todos os bloguistas
Que preservam tal quimera.

As touradas da Terceira
Dão a volta às freguesias
Sempre ouvi a vida inteira
Louvar suas cortesias.

E louvo agora também
Os donos e familiares
Pelo trabalho que tem
No mato e nos seus lares.

Louvo Capinhas e Forcados,
Louvo quem ama a Tourada;
E louvo os Toiros nos prados
E os Pastores na estrada.

Viva, viva a Nossa Gente,
Que desde o berço conquista
Um amor assim ardente
P'lo toiro que cedo avista.

Rosa Silva ("Azoriana")

Calendário de Ganadarias Terceirenses registadas na
Associação Regional de Criadores da Tourada à Corda / Associação dos Ganadeiros / Associação da Festa Brava Açoriana:

Francisco Sousa (Cadelinha) - Janeiro - Freguesia de São Bento;
Rego Botelho - Fevereiro - Caminho do Meio de São Carlos;
Casa Agrícola José Albino Fernandes - Março - Caminho do Meio de São Carlos (ver aqui e aqui.);
Manuel da Rocha Gaspar (João Quinteiro) - Abril - Ribeirinha;
Herdºs Ezequiel Rodrigues - Maio - São Bartolomeu de Regatos;
Eliseu Gomes - Junho - Freguesia da Conceição (ver aqui);
Humberto Filipe - Julho - Freguesia das Cinco Ribeiras (ver aqui);
Duarte Pires - Agosto - Freguesia dos Biscoitos;
Irmãos Toste - Setembro - Cabo da Praia;
Gabriel Ourique - Outubro - Freguesia do Posto Santo;
Manuel João Rocha - Novembro - Serra da Ribeirinha.


























































































Novidades para breve

29.07.09 | Rosa Silva ("Azoriana")

DSC00038_2.JPG

Não me canso de ouvir
Uma canção já gravada
Que me pôs logo a sorrir
Como o sol da madrugada.

O Amigo da Terceira
Victor Santos dá-lhe voz
E a melodia certeira
Para cantar para nós.

Olé, olé, Bravo Taurino!
Dedicada letra amiga
Para a Casa do Albino
Que é mote da cantiga.

E muito honrada me sinto
Por mais uma edição
E por isso já eu sinto
Uma enorme emoção.

Rosa Silva ("Azoriana")

Parte V - Casos isolados ou não: "Hoje apetece-me criticar..."

28.07.09 | Rosa Silva ("Azoriana")

Quem está atento ao que escrevo já percebeu que gosto de elogiar pessoas, coisas e a natureza, sempre que algo me atrai o olhar. Ao contrário do que é habitual hoje não me apetece elogiar mas sim criticar. Isto porque o meu sistema nervoso está ao rubro. E porquê? Já respondo porque tenho de tomar fôlego... E ando às voltas com o título do artigo.

Para o título deste artigo tenho várias hipóteses: "A crise financeira"; "A banca leva-nos uma parte da parte"; "Despesas de manutenção a quanto obrigam?"; "Cartão de crédito para quê?"; "Endividamento total"; "Laços a dinheiro"; "Crise vs Desespero"; "Deixei de comer por mais não ter"; "Euros estão pela hora da morte"; "Não vi o cartão de crédito mas tive que o pagar"; etc.

Agora vamos ao texto que explica a razão do meu sistema nervoso estar ao rubro:

Aqui há tempos fui induzida a aceitar alguns serviços que uma determinada Caixa me "oferecia" a troco de me baixar a prestação mensal. Cartões e mais cartões que apenas tiveram um dia de análise. Rejeitei-os todos e nem sequer pretendo usufruir deles.
Ontem, recebi uma carta que me avisava de que me irá ser descontada uma quantia pelo CARTÃO DE CRÉDITO???? Qual cartão de crédito? Que bodega é esta? Eu fui pessoalmente cancelar tais "maravilhas" e voltam-me a aparecer? Não podia acreditar no que estava recebendo. Nem sequer estou em posse desse cartão nem o vi. O que fazer? Contactei os ditos e vi-me obrigada a ir pessoalmente resolver esta questão. Cancelei novamente o finório cartão mas não me livro de me ser descontado a quantia que já havia sido estipulada para ser descontada brevemente ao meu saldo (que tive que ir preencher pois nem chegava para essa operação).

Digam-me lá, senhores e senhoras, se isto é justo para uma mulher que pena bastante para passar um mês e que nem lhe sobra um cêntimo para poupança?

Por favor, alguém faça alguma coisa para que estas coisas não nos surpreendam e para que as DESPESAS DE MANUTENÇÃO do pouco dinheiro que temos na banca não nos levem à falência. Ou estão todos felizes e contentes com os cartões de crédito, que são pura ilusão... Estou deveras desgostosa mas vistas bem as coisas dependo da "bondade" da banca para sobreviver...

Imagem de Rui Matos: Ponta do Queimado - Serreta

28.07.09 | Rosa Silva ("Azoriana")

É ali que ele repousa
O Queimado estendido
E quando o sol lhe pousa
Fica negro ao comprido.

A simbologia é tida
Na simbiose da luz
O Queimado jaz sem vida
Mas a todos ele seduz.

É a «Ponta do Queimado»
Nome que é conhecido
Eu o vejo ali deitado
Com o bico adormecido.

A beleza estonteante
Que cativa nosso olhar
É esse traço marcante
Dum bico a repousar.

Rosa Silva ("Azoriana")

Parabéns ao autor da imagem, Rui Matos, in «Olhares - Fotografia Online».

Artigo alusivo à imagem de Rui Matos. Mata da Serreta

28.07.09 | Rosa Silva ("Azoriana")

No império de ramos
A bela encruzilhada
Parece até que estamos
Sob cobertura dourada.

As árvores grassam de pé
Das fundações serretenses
Uma imensidão à ré
Dum terço dos seus pertences.

Canta a alma quando passa
Canta o céu lá nas alturas
Canta o mar que se abraça
A um tecto de venturas.

E canto eu encantada
A minha terra natal
Que se vê cedo beijada
P'la ternura matinal.

E a tarde quando cai
No coração dessa Mata
Doura tudo e sobressai
A saudade que nos ata.

A Serreta ao natural
É centro de atenções
Quem passa pelo local
Tem maiores emoções.

Rosa Silva ("Azoriana")

Nota: Parabéns ao autor da imagem, Rui Matos, in «Olhares - Fotografia Online».

Ao poeta Euclides Cavaco com o brilho dos «Sonhos»

27.07.09 | Rosa Silva ("Azoriana")

Peço perdão p'la ausência
Duma féria duração
E também a paciência
Foge e leva-me pela mão.
Aos poucos vou retomando
A escrita que me alisa
E coloca vez em quando
Na onda que em mim desliza.

Uma onda repentista
Que me ronda as ideias
E também por ser bloguista
Ando em paredes meias
Com o que vejo no ar
E me inspira tão somente
O sonho de elogiar
O amigo, poeta crente.

Perante "Sonhos" dos seus,
Versos com categoria,
Alerta para que os meus
Tenham uma grande alegria.
E desejo que amiúde
Deus lhe dê felicidade
E junto da paz e saúde
Sonhos sejam realidade.

Não sei que me deu agora
P'ra seguir nesta cantiga
Há muito que me devora
Este dom que me fustiga.
Sonho que estou a cantar
Ao lado do meu amigo
Um poeta a brilhar
E sorrindo ao que lhe digo.

Abraço
Rosa Maria Silva ("Azoriana")

Pág. 1/6