Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Açoriana - Azoriana - terceirense das rimas

Os escritos são laços que nos unem, na simplicidade do sonho... São momentos! - Rosa Silva (Azoriana). Criado a 09/04/2004. Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores. A curiosidade aliada à necessidade criou o 1

Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(940...pausa... 981)

Motivo para escrever:

Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********

Com os melhores agradecimentos pelas:

1. Entrevista a 2 de abril in "Kanal ilha 3"



2. Entrevista a 5 de dezembro in "Kanal das Doze"



3. Entrevista a 18 de novembro 2023 in "Kanal Açor"


**********

Mulher, mãe...

30.04.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

Com sua graça e cor
Neste jardim em flor
Vai trilhando sonhos e vida;
Mulher meiga e festiva
Sedutora e emotiva
Na sua ilha querida.

 

Terceira e São Miguel
Se juntam neste painel
Colorindo as manhãs:
Flores de doce encanto
Alegres em cada canto
Chamando suas irmãs.

 

São Jorge e Graciosa,
Mulheres de tez mimosa;
Faial, Pico e as Flores
Brilhantes em alto-mar
Corais finos de espantar
Conquistando seus amores.

 

Corvo e Santa Maria
São estrelas de harmonia
A ocidente e oriente;
Juntam-se ao grupo central
Mostrando seu ideal:
Mulher, mãe de amor ardente.

 

Rosa Silva ("Azoriana")

 

(Imagem encontrada na net)

Brisa do momento

30.04.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

Bravos Cantadores

Em Angra do Heroísmo
Todos marcharão pla rua
Adornados de lirismo
Lembrando também Charrua.

José de Sousa Brasil
Foi cantador popular
De Charrua no perfil
E na rima exemplar.

Do povo ele era o "santo",
Da "Aurora" o "Sol Nascente",
Do Terreiro era o Canto
Reunindo um mar de gente.

Minha alma se inflama
Com ares de cortesia
Pelas suas musas chama
Seus pilares da poesia.

Junho de dois mil e dez
No seu dia vinte e quatro
Cantarão de lés-a-lés
As liras do seu teatro.

Centenário do nascimento
Do cantador terceirense
Que navegou em talento
E no fim seu amor vence.

Casou com a cantadeira,
A Maria Angelina,
Que cantou à sua beira
Linda quadra cristalina.

Diva de popularidade
E da rima pura luz
Ao povo deixou saudade
Nesta ilha de Jesus.

Por Turlu mais conhecida,
A dama da redondilha,
Que partiu desta vida
Sem voltar à sua ilha.

Ó ilha de mais encanto
De festas e de folia,
Do Divino Espírito Santo
Que é alma da cantoria.

Deixo um agradecimento
Às musas do bravo ilhéu
Que na brisa do momento
Nos inspiram lá do céu.

Rosa Silva ("Azoriana")

Convite conferência - Jan Huygen van Linschoten na Terceira

29.04.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

Convite-arie+pos.jpg

A Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo tem a honra de convidar V. Exª. para assistir à 4.ª conferência do Ciclo

 

OCEANO DE HISTÓRIAS - NOVOS CAMINHOS DA HISTÓRIA DO ATLÂNTICO

Jan Huygen van Linschoten na Terceira
Pelo Professor Doutor Arie Pos

Esta conferência terá lugar no dia 30 de abril de 2010 (6ª feira), às 18h00 na Sala de Reservados do Palácio Bettencourt

Uma parceria:
CHAM - Centro de História de Além-Mar (UNova de Lisboa / Udos Açores)
BPARAH - Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo

Apelo bloguista

29.04.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

Este blog - http://mbweblogv2.wordpress.com/ - pertencia a Miguel Bettencourt, que conheci no jantar de bloguistas. Apreciei, sinceramente, o entusiasmo dele, a sua iniciativa, e a sua alegria e boa comunicabilidade.

De repente, noto que o seu blog http://mbweblogv2.wordpress.com/ está inactivo, foi apagado e apenas surge uma mensagem: "The authors have deleted this blog. The content is no longer available."

O que será que levou este blogger, amigo do seu amigo, a desistir? Eu já me vi em pensamentos desses e consegui ultrapassá-los porque o bichinho mordeu-me forte e penso que só a morte me separará do meu querido blog. E ao Miguel o que terá acontecido?

Se me estiveres a ler, reage, diz alguma coisa. Claro que as decisões pessoais são de ter em consideração mas quando um blog é bom porque liquidá-lo? Eu seguia-te mesmo que não te comentasse a eito. Eu via na minha caixa de correio os títulos que indicavam um artigo online. E agora? Volta, por favor. Espero contar contigo no próximo jantar. Sem ti não é a mesma coisa, acredita.

Um amigo faz-nos falta quanto mais um amigo com blog. É como abrir uma janela e ter a alma deserta com a sua ausência.

Seja lá o que for, diz-nos por favor!

Abraço

Rosa Maria

Feliz aniversário a 29 de Abril

29.04.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

Parabéns querida amiga
Pela nova primavera
Hoje dou-te uma cantiga
Que suponho estares à espera.

Uma cantiga no dia
Do nosso aniversário
Completa nossa alegria
E anima o calendário.

«Parabéns a você
Nesta data querida
Muitas felicidades
Muitos anos de vida.»

Esta é habitual
E será sempre bem-vinda
Ouvi-la já é normal
E será sempre mui linda.

Canto com maior ternura
Depois de te conhecer
Lembrarei tua ventura
Gostei bem de te ver.

Rosa Silva ("Azoriana")

para Francisca Dias do Canadá

Açores nossos amores

28.04.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

AÇORES

Milagre do Atlântico
Paraíso prateado
De mar.

AÇORES
Pérolas vivas
Dum verso anil
A navegar.

AÇORES
De lava pura
Que nos abala
E faz rezar.

AÇORES
Ilhéus do mundo
Com flores vistosas
Para te abraçar.

AÇORES nossos amores
Rima de cores.

2010/04/28
Rosa Silva ("Azoriana")

Retrocesso do preço de produtos é a hipótese de saída da crise económica

28.04.10 | Rosa Silva ("Azoriana")
Ó meus senhores, ouçam o que vos digo:

Se não moderarem os preços dos produtos nada fazem com a crise económica. Se um mero saquito com meia dúzia de batatas fritas que embelezam os cestos dos vendedores nas touradas da ilha Terceira custa para aí uns 200 e tal escudos (moeda antiga), convertidos dá 1 euro e tal, imaginem a bronca que não é esta conversão e outras tais. Uma queijadinha pequena e gostosa ronda os tais duzentos escudos, imaginem a bronca que não é mais esta conversão e outras tais. Como vai sobreviver a freguesia, o concelho, a ilha, os Açores e o Continente? Digam-me lá.

Ou se faz nova conversão ou os ordenados de alguns retrocedem para um patamar menos faustoso. Como conseguir fazer que sobreviva um agregado familiar de seis pessoas, animais domésticos e afins com o preço actual de tudo? Quem põe mão nisto?

Por mim, estou à beira de um ataque qualquer... de nervos não será porque esses já estão num caos.

Ó Bendito seja Deus
Que fez mar, céu e terra
E deu aos filhos seus
O poder de paz ou guerra.

O homem é que retalha
As tábuas onde se deita
E quando algo então falha
É a morte que o espreita.

E se a crise continua
Alastrando na carteira
A morte é que actua
Nas gentes de má maneira.

Se fizermos vista grossa
A toda esta situação
Vai causar a grande mossa
Nos canteiros da Nação.

Rosa Silva ("Azoriana")

A ilha e sua graça

28.04.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

Louvor a São Miguel

Artesanato em basalto
Figurativo plano e alto
Das escórias vulcânicas
Montra das ilhas atlânticas.

Com motivos dos Açores
No negro as belas cores
Elevando o que é real
Dos jardins de Portugal.

A menina Sapateia
É a sorte de mão cheia
De «coisas açorianas»
Com bel' artes humanas.

«Terra de Fogo» em arte
Esse belo dom reparte:
À ilha de São Miguel
O meu louvor, em painel.

Rosa Silva ("Azoriana")



"A Serreta e a sua Igreja de Nossa Senhora dos Milagres" - Escultura Base de J. Bett.

Desanexada da Paróquia das Doze Ribeiras, viria a dar-se a criação da freguesia da Serreta. Com esta circunstância viria já uma antiga imagem da Virgem Maria. Em 1819 foi então promovida a Fundação da Igreja da Serreta, que veio a ser concluída em 1842 e benta a 31 de Agosto de 1907. Mede 219 metros de altura e cerca de 10 metros de largura. Ostenta um frontispício exterior com traça modesta, mas equilibrada e sóbria nas suas linhas gerais. O seu interior é formado por uma só nave. Ostenta um espólio artístico composto por um Cristo de marfim indo-português do séc. XVII, uma estante com embutidos em marfim e 4 castiçaleiras esculpidas em boa madeira do séc. XVII, tendo um Cristo seiscentista na sacristia. À volta da sua padroeira tem crescido e enorme fé dos seus devotos com as graças concedidas pela Santa Milagreira, que dá lugar a grandes romarias entre os habitantes de toda a ilha Terceira e ilhas mais próximas. Por estas crescentes manifestações do povo foi mais recentemente elevada a Santuário de Nossa Senhora dos Milagres.

Nota: Talvez tenha sido a aquisição que mais me encantou nos últimos tempos. Tenho o Santuário de Nossa Senhora dos Milagres na minha secretária para lembrar que é o monumento onde o meu coração bateu primeiro com o toque das Trindades… Foi num dia de Abril, dia cinco, que me entregaram à protecção da Virgem Maria e do seu Filho, pelo baptismo, no colo da minha madrinha Maria das Neves, ao lado do meu padrinho António Cota, já falecido. São estas as melhores lembranças de um tempo reflectido em obras de verdadeira arte manual. É pena que a vida nos pregue algumas partidas e nos assombre os caminhos.

Conselho amigo: incentivo ao artesanato

27.04.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

bijuteria_fenix.jpg

Há quem tenha habilidade
Pra fazer seja o que for
Mas a nossa sociedade
Não dá devido valor.

Anda uma moça prendada
Em trabalho artesanal
Faz tanto numa assentada
Sem ver lucro material.

Quem me dera ajudá-la
A sair dessa tormenta
Gosto de ver cada mala
Que o seu blog ostenta.

Dê valor à reciclagem,
É bela transformação:
Veja bem cada imagem
E a boa decoração.

Rosa Silva ("Azoriana")

http://www.bijuteriafenix.blogspot.com/

Pág. 1/5