Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Açoriana - Azoriana - terceirense das rimas

Os escritos são laços que nos unem, na simplicidade do sonho... São momentos! - Rosa Silva (Azoriana). Criado a 09/04/2004. Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores. A curiosidade aliada à necessidade criou o 1

Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(940...pausa... 981)

Motivo para escrever:

Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********

Com os melhores agradecimentos pelas:

1. Entrevista a 2 de abril in "Kanal ilha 3"



2. Entrevista a 5 de dezembro in "Kanal das Doze"



3. Entrevista a 18 de novembro 2023 in "Kanal Açor"


**********

O preço das coisas (Bens essenciais)

30.09.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

Por uma questão de saúde mental costumo arredar-me das notícias dos telejornais que proliferam pela ecrã televisivo. As más notícias é que tomam sempre a dianteira para arrasar com a nossa saúde (mental e física). Mesmo que me afaste dessas actualidades, elas acabam por ser faladas no dia-a-dia com prós e contras. Ouvi que ressaltam novas medidas para debelar a crise que alastra nas bolsas portuguesas... Temo que ainda não tenham chegado ao verdadeiro mal: O PREÇO DAS COISAS!

Senhores governantes, abnegados e interessados em salvar Portugal, acreditai que O PREÇO DAS COISAS é o ponto de partida para debelar a crise. Enquanto não fizerem a REVISÃO DO PREÇO DAS COISAS em Portugal a crise não se arredará um milímetro. Equilibrar a RECEITA e a DESPESA surtirá bom efeito no SALDO. Se a balança não tiver alinhamento, a crise permanecerá um tormento.

E lembrem-se que UM EURO corresponde a 200,42 ESCUDOS, portanto, as continhas têm de contar com redução do PREÇO DAS COISAS ou AUMENTO DA RECEITA e não o contrário. Assim, Portugal terá um futuro desastrado.

Mas quem sou eu para alertar para o mal do PREÇO DAS COISAS?! Sou uma cidadã que se inquieta para equilibrar a balança doméstica entre a RECEITA e a DESPESA, por causa do maldito PREÇO DAS COISAS. Irra, que não há maneira de perceberem que o mal está mesmo aí, no PREÇO DOS BENS ESSENCIAIS.

Rosa Silva ("Azoriana")

P.S. O artigo saiu em prosa porque se fosse a rimar estragava o meu blogar.

Festas do Império de São Carlos – 2010

28.09.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

No verso não me baralho
Nem me dou à nostalgia
As festas dão mais trabalho
Que o trabalho nos daria.

 

No reverso da inspiração
Que se fez algo pousada
Regresso do pé pra mão
Com a rima minha amada.

 

E fazendo a revisão
Das festas da minha zona:
Digo que há satisfação
No verso que vem à tona.

 

Rumei com grande alegria
À Festa que me rotunda:
Na quinta da Cantoria
E prós toiros da Segunda.

 

António e Maria Clara
Estreando lado a lado:
Celebrando cousa rara
Fez São Carlos animado.

 

Com gravata no alforge
Fizeram rir nosso povo
O da ilha de São Jorge
Começava um ano novo.

 

Eliseu e Fábio Ourique
Também em estreia eficaz
Fizeram um bom despique
Bela voz tem o rapaz.

 

Lupércio e Ti’ João,
Marcelo e Hélder Pereira
E o “casal” do serão
Com mais quatro à sua beira.

 

No fim, Mota e Retornado
Num despique erudito
Tiveram Cristo a seu lado
Foi o tema favorito.

 

A festa assim teve glória
Sem esquecer os tocadores;
Nossa terra tem história
De improviso e cantadores.

 

 Rosa Silva ("Azoriana")

Parabéns a Hélio Costa

24.09.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

Fazer anos é tão bom
Se conserva cada dom
Que Deus nos quis ofertar
Creio que é mais feliz
Aquele que bem nos diz
E brilha em qualquer lugar.

Tens brilho por excelência
Valores por competência
Na rima és exemplar.
És bravo do Carnaval
És poema natural
De versos dia e luar.

Da rima és o archote,
Do Carnaval tens o mote
Das cantigas pioneiras;
Da Terceira és o adro
Do poema belo quadro
O brasão de mais bandeiras.

Que a vida te sorria
Para sempre e neste dia
De mais um aniversário
Que haja muita saúde
Paz e alegria amiúde...
No abraço extraordinário!

Parabéns!
Rosa Silva ("Azoriana")

Angra, sereia ao luar

23.09.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

 

Imagem de José Ficher

 

Cantam as ondas de espuma
Na Angra sonho de areia
Da ilha onde a bruma
É pão nosso de mão cheia.

Cantam gaivotas marinhas
Pelo céu a despertar
O marulhar das rainhas
Sereias do meu cantar.

Ó Angra

Do Heroísmo
Prainha do mar
em quilha
Ó Angra
Do meu lirismo
Baía a cantar
a ilha.
Terceira
Verso lilás
Sereia ao luar
Rosquilha
Terceira
Belo cartaz
Doce a rimar
redondilha.


Num abraço em tom dourado
Pelo sol de aurora pura
Brilha o teu corpo alado
Pela onda da ternura.

És Prainha de afectos
Na cor das tuas areias
És de filhos, pais e netos,
Rima que corre nas veias.

 

Rosa Silva ("Azoriana")

Rosto(s) de e para a cultura regional

23.09.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

Imagem encontrada no Facebook. Espero que a Dulce não se ofenda...
"5 Minutos de Cultura"
O rosto fresco da nossa televisão
DULCE TEIXEIRA

A simpatia e beleza
São o toque especial
No rosto que com certeza
Inspira qualquer jogral.

Uma jovem terceirense
Que em parcos minutos
Nos dá do seu pertence
Os ditos dos mais astutos.

A cultura regional
Irá muito mais além
Com o seu tom divinal
De humildade também.

Cinco minutos?! É pena,
Sendo ela da Terceira...
A alma não é pequena:
Bem-haja, Dulce Teixeira!

Rosa Silva ("Azoriana")
2010/09/22

Angra sem carros na rua principal (e com muitos nos arredores)

22.09.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

Há escritos que me embalam a recordação de um passado não muito distante. Outros há que me sacodem a memória de outras eras. Há, ainda, os que mantém viva a esperança adormecida.

  

Dou por mim a sonhar acordada e a dormir despertada por sonhos, quase a roçar os pesadelos. No entanto, "it's summer time" nos primórdios do fim. Sinto o "friozinho" misturado com as sombras e afastado pelos raios solares nas frinchas do dia. Porém, não há remédio para o solar das ideias, talvez porque prefira a declaração de rotura total para o mundo e o alvor de novo começo humano numa paz de anil.

 

Estarei acordada ou dormindo perfumada por querer permanecer no sonho das flores que fizeram as delícias de umas quantas narinas que passearam no odor do Jardim da Senhora, numa miscelânea de Perfumes de Amor Mariano?!

 

Dou por mim a prosear e a rimar num dia pausado de carros numa rua que merece descanso por um dia... E canto:

 

Flores com alma

 

Somos vidas peregrinas
Num ilhéu em alto-mar
Somos vales e colinas
Lava fria a incendiar.

 

Somos versos às camadas
Numa ilha tão taurina
Somos torres madrugadas
Odores de flor divina.

 

Somos o que quer que seja
Coroados de anil
Somos todo o mar que beija
A terra de bom perfil.

 

E somos a grande alma
Da nossa ilha Terceira
Somos o lírio e a palma
No Jardim da Padroeira.

 

Rosa Silva ("Azoriana")

 

Jardim da Senhora

 

Nota: As vírgulas e demais pontuação não deu tempo... desculpem-me!

Gravado para a Rádio Portugal USA.

Angra do Heroísmo: Partiu a "Voz da Terceira"...

22.09.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

Descanse em Paz!

 

Partiu ontem e hoje foi para a terra fria. O Sr. João D'Ávila permanecerá na memória da família, a quem presto as sentidas condolências; na memória dos amigos, conhecidos e a quem o ouviu na rádio - RCA Rádio Clube de Angra.

 

Nunca falei com ele mas conheci descendentes que estimo e admiro. Criam-se laços de amizade que um sorriso ata nos dias correntes.

 

Há escritos que eternizam a vida do ilhéu digno de todo o nosso preito e respeito, honrando, assim, a sua passagem terrena.

 

(http://www.auniao.com/noticias/ver.php?id=21391 e http://portodaspipas.blogs.sapo.pt/1029140.html e http://ww1.rtp.pt/acores/index.php?article=17316&visual=3&layout=10&tm=6)

Fátima Albino feliz, mulher de “garra” em livro

21.09.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

"“Depois da família, a minha grande paixão é a tauromaquia” – retemos, desde logo, a expressão que melhor caracteriza o modo de ser e estar de Fátima Albino, actual proprietária da Casa Agrícola José Albino Fernandes, que, no próximo dia 21 de Setembro, vê-se retratada na publicação “Fátima Albino: Uma Ganadeira da Ilha Terceira” da autoria de Isabel Maria Coelho da Silva.

 

A fonte desta introdução está em vários sítios da internete. Não vou indicá-los porque basta ir ao motor de busca universal e colocar os termos de pesquisa - Fátima Albino; ganadeira, e depara-se-nos um leque de resultados consideráveis.

 

Mulher, esposa, mãe, ganadeira, alegre, simpática e amiga. Tudo isto por causa de uma vida dedicada à família cuja actividade se prende com a tauromaquia de cunho terceirense. Agora, é-lhe feita a devida e merecida homenagem: um livro para memória actual e futura. Certamente que Fátima Albino, como é conhecida, está feliz com o que considero ser uma realidade nobre.

 

Até logo às 21:30 no lançamento do livro que vou estimar e preservar na biblioteca das emoções.

 

Fátima Albino

Da Azoriana

19.09.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

Vida

Quando a morte me pousar
Digo agora: vou feliz!
Levo o dom do meu cantar
Que honra nossa raiz.

A morte eleva a vida
Mesmo que ela seja dura
A vida pra mim é querida
Quando versa a ternura.

A morte não tira nada
Que a gente já não saiba
Outra Vida é elevada
Para que a saudade caiba.

Quando choramos a morte
De alguém muito querido
É porque o Amor foi mais forte
E jamais será esquecido.

 

Rosa Silva ("Azoriana")

Pág. 1/4