Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Açoriana - Azoriana - terceirense das rimas

Os escritos são laços que nos unem, na simplicidade do sonho... São momentos! - Rosa Silva (Azoriana). Criado a 09/04/2004. Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores. A curiosidade aliada à necessidade criou o 1

Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(940...pausa... 981)

Motivo para escrever:

Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********

Com os melhores agradecimentos pelas:

1. Entrevista a 2 de abril in "Kanal ilha 3"



2. Entrevista a 5 de dezembro in "Kanal das Doze"



3. Entrevista a 18 de novembro 2023 in "Kanal Açor"


**********

Ai, que saudades...

31.01.11 | Rosa Silva ("Azoriana")

A matança do porco de antigamente

 

Matança de porco na freguesia da Serreta em tempos idos.
Imagem de Genuina Sousa, emigrante serretense

Esta foto apresenta o melhor convívio que havia. O dia da matança era um dia de folia e trabalho. Cedo se preparavam os utensílios para que nada faltasse à última da hora. Convidavam-se os mais fortes para aguentar o bicho que pressentia o que lhe ia acontecer. O banco tinha de aguentar a fortaleza do animal que devia ter toucinho que bastasse para encher os recipientes para uso de um ano inteiro.

Em Janeiro mata-se o porco e que haja bastante aguardente, vinho e licor para uns e outros aquecerem e amaciarem a garganta, perante um inverno rigoroso de abundância e comida de substância.

Alguidares, terrinas, salgadeiras, (sem esquecer o toucinho com uns dois dedos de espessura) as alcatras, o cozido com umas couves do quintal e batata doce tão douradinha, a feijoada com o tal toucinho, a orelha, o focinho e uns nacos de carne entremeada com uma gordurinha para a fazer mais tenra... E a amizade florescia na sã convivência: Andem vocês ver o nosso porco! E iam.

Iam nos cumprimentos nocturnos, viam o animal pendurado nos tirantes na casa de arrumos, examinavam o toucinho (Deus vos dê saúde bastanta! Está um rico porquinho! Louvado seja Deus!) E depois lá ia um cálice de aguardente, vinho abafado, angelica, anis, licor de amora, e uns figos passados, uns biscoitos caseiros, umas bolachas com um gostinho divino, e muita, muita alegria e conversa até que estava na hora de partir o animal, salgar, derreter o toucinho (ai que abundância!), fazer as morcelas, o sarapatel, as linguiças, as salsichas, as rodas de carne para A, B ou C (que mereciam porque tinham estado a ajudar e a passar frio e calores com a palha a chamuscar a pele do animal para as salsichas que enchiam as tripas lavadas com rama de cebola, molhos de salsa, farinha, sabão azul e branco, laranjas para que o cheiro fosse um bálsamo depois de tanto esfregar no alguidar, com as mãos fechadas e colocadas de forma a dar a volta completa)...
Ai, que saudades! Saudades de vos ver...
Rosa Silva ("Azoriana")

Cantador ao desafio bartolomense em destaque n' "A União" - Angra do Heroísmo

28.01.11 | Rosa Silva ("Azoriana")

Desde que me balancei para estas coisas de cantigas ao desafio e já muito antes dessa descoberta e gosto pessoal que conheço o homenageado da primeira página do jornal local "A União".

 

José Eliseu está (e estará mais concretamente em Junho de 2011) a comemorar os seus trinta anos de carreira artística poética-popular de cantador ao desafio, com pompa e circunstância. Se no passado recente tivemos nomes de vulto como Charrua e Turlu, nesta era temos José Eliseu e Maria Clara Costa como a dupla imparável do desafio que tanto é brincalhão como em despique de grau elevado.

 

A pena que eu tenho é não cantar com ele. Queria saber se passava no "teste" como tantos outros já passaram. Lembro que José Eliseu cantou com Fábio Ourique nas Festas do Império de São Carlos 2010 e percebi (percebemos) que o Fábio passou com distinção. Claro que dois cantadores masculinos cantando é o pão-nosso de cada dia de cantoria... Agora um masculino acompanhado pelo feminino é uma raridade, não fosse a boa estreia e continuação da já famosa Maria Clara Costa que, quando canta com José Eliseu, parece haver ali uma parelha disposta a encantar o público assistente. É o novo par das Cantigas Insulares ao Desafio.

 

Fico feliz por ele e pelo destaque que ora veio na imprensa escrita que voará de mão em mão e de olhar em olhar, certamente com sorrisos de satisfação pelo nosso querido José Eliseu.

 

Parabéns!

 

Rosa Silva ("Azoriana")

José Eliseu - o Rei dos Cantadores

 

 

Imagem in jornal "A União" de 28 Janeiro 2011

 

Rimas de opinião

27.01.11 | Rosa Silva ("Azoriana")

Andam a monte sentenças,
Quebra-cabeças e afins
Mas são mais as desavenças
Com ditos maus ou ruins.

Nosso mundo estará louco
Entre tanta opinião?
Já leio de tudo um pouco
Uns que "SIM" outros que "NÃO".

Haja santa paciência
Para tanta contradição
O peso de consciência
Deve ter-se em atenção.

Sigam o exemplo da Praia
Para bem não há defeito
Mesmo que ela um dia caia
Cai com um corpo perfeito.

Mas Angra do Heroísmo
Quer caia ou seja mantida
Padece de um centrismo
Que lhe enferniza a vida.

Há quem deixe o seu lar
Pra cuidar da nossa gente
E faz tudo para legar
A Angra o que tem em mente.

No centro, a Edilidade,
Com uma mulher presidente,
Toma conta da cidade
Tendo o pormenor presente.

Mas há quem teime em manchar
A laboriosa vida
Que zela e faz por dar
Uma Angra mais querida.

E vou buscar o Aleixo
Que rimava com moral
Por fim, eu aqui vos deixo
A que serve e é especial:

"Anda a galope ou a trote
Uma besta à chicotada
Mas dos homens a chicote
Ninguém pode fazer nada.
"

Isto tudo para vos dizer
Que com briga nada dura
E não deixem de fazer
Em Angra boa moldura.

A moldura de um país
Vê-se na apresentação
Se o povo está feliz
Luz até o próprio chão.

Embelezem as fachadas
E o rosto de uma cidade
Onde viram ancoradas
Belezas de outra idade.

Uma coisa remendada
Não é bem como uma nova
A obra muito asseada
Já na planta tem a prova

Angra do Heroísmo, 26 Janeiro 2011

Rosa Silva ("Azoriana")

Sonhei que Portugal tinha morrido

26.01.11 | Rosa Silva ("Azoriana")

E não é caso para menos. A ver pelas notícias da actualidade é mesmo de se ficar à beira das portas da morte. Onde é que já se viu: mentir em Tribunal?!

Montes de papelada, montes de blá, blá, blá, montes de “diz que disse”, montes de artigos em jornais, revistas, rádio, televisão e por aí fora, que até dava um filme de longa-metragem com direito a Óscares e tudo, para afinal vir a público: “menti em Tribunal”!!!!

Em que mundo é que estamos?

Não admira que fiquemos de pé atrás com o que nos entra pelos ouvidos adentro sempre que ligamos aqueles aparelhos que nos põem em contacto com as manchetes actuais.

Nem precisa mencionar do que estou a escrever porque para bom entendedor actualizado com as “news” fica logo a saber do que se trata.

Desta vez, e outras vezes, prefiro a penumbra que é sempre o melhor. Eu até concordo com o slogan: Quanto mais se fala, mais se entala! Espero que esta seja uma criação sem aspas (com aspas seria de outrem).

 

Rosa Silva ("Azoriana")

 

P.S. Eu bem digo que a prosa não é o meu forte nem vem à tona por coisa boa...

Excelente "Tributo a Eusébio" de Euclides Cavaco

25.01.11 | Rosa Silva ("Azoriana")
Mesmo não sendo ligada
Ao futebol, em geral,
Fico muito sensibilizada
Com as honras a Portugal.
 
Eusébio, nome brilhante,
Honrado no seu "Tributo"
Deixa risonho o semblante
Lendo o seu verso astuto.
 
Tributo a nosso Euclides
Também é bem merecido
Porque em todas as lides
É do melhor e reconhecido.
 
Homenagem feita em vida
Tem maior valor real
No coração tem guarida
Felicidade sem igual.
 
Rosa Silva ("Azoriana")

Tenho que me aguentar calada…

25.01.11 | Rosa Silva ("Azoriana")

Um segredo é um segredo até que se desvende. Mesmo que me apeteça desvendar um novo segredo não vou fazê-lo. Na altura certa, digo, no dia certo (2 de Abril), será desvendado perante os ouvidos (e os olhares) que quiserem presenciar o gosto de ter letras impressas num livro que cabe nas mãos abertas para o acarinhar.

Carinho, amizade e uma fraternidade conterrânea é o que sinto (sinceramente) pelo Dr. Luiz Fagundes Duarte, natural da freguesia da Serreta, concelho de Angra do Heroísmo, conhecedor das letras, das artes, da política e do mundo. [confira]

Tenho que me aguentar calada sobre um segredo bem guardado até ao içar da novidade, até ao lançamento do primeiro foguete para a saída, a público, do meu tesourinho. Os meus filhos são o meu tesouro maior, bem como quem me acompanha a vivência feliz. O meu livro é o tesourinho, o sonho que teve pernas, digo, o corpo todo, para ser realidade.

A realidade ainda é uma criança. Faltam o resto de Janeiro, Fevereiro, Março, o dia de Petas e logo a seguir zás: a realização do sonho. Será que vou aguentar esta ansiedade até este dia? Será que Deus me vai dar esta alegria? A resposta: Tenho que aguentar! Deus me ajudará e também a sua Mãe.

Angra do Heroísmo, 24 de Janeiro de 2011



Imagem in Lusografias

Inauguração do Monumento ao Toiro - Angra do Heroísmo

22.01.11 | Rosa Silva ("Azoriana")

E lá está a placa identificativa inaugurada neste dia, 22 de Janeiro de 2011, na presença de aficionados, entidades oficiais e taurinas, a comissão do Monumento ao Toiro, o artista desta obra imponente, que, ao primeiro olhar, capta a nossa atenção pela figura dos Bravos, que são a maior atracção local, regional, nacional e internacional.

 

O artista, Renato Costa e Silva, e toda a equipa que colaborou com ele merecem um bravo aplauso. Parabéns por realizarem um sonho. João Paes fez um discurso que muito apreciei. Talvez ainda o verei escrito nalgum jornal, revista ou outro documento que preserve a emoção que presenciei. É muito bom realizar um sonho e vibrar com gosto por obra feita.

 

As imagens falam por mim...

 

 

Inauguração do Monumento ao Toiro

 

A Filarmónica Recreio Serretense marcou presença convenientemente tocando alguns Pasodobles, o Hino Nacional e dos Açores junto à rotunda, e o da Filarmónica junto à sede da Tertúlia Tauromáquica Terceirense que comemora o seu 45º aniversário. Parabéns!

 

Pág. 1/3