Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Açoriana - Azoriana - terceirense das rimas

Os escritos são laços que nos unem, na simplicidade do sonho... São momentos! - Rosa Silva (Azoriana). Criado a 09/04/2004. Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores. A curiosidade aliada à necessidade criou o 1

Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(940...pausa... 981)

Motivo para escrever:

Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********

Com os melhores agradecimentos pelas:

1. Entrevista a 2 de abril in "Kanal ilha 3"



2. Entrevista a 5 de dezembro in "Kanal das Doze"



3. Entrevista a 18 de novembro 2023 in "Kanal Açor"


**********

Não é Hoje, é Amanhã...

31.03.11 | Rosa Silva ("Azoriana")

Eu sei que esta coisa de se fazer mais um ano tem que se lhe diga (Diga-se AMANHÃ). Por um lado, antes mais um que menos um, mas por outro, acrescenta responsabilidade, aproxima a última idade e atraca no cais da saudade.

 

Desde a infância que fui habituada a fazer caso do dia de aniversário (é só amanhã – SEXTA-FEIRA 01/04/2011), festivamente, nem que fosse com um bolo caseiro e falatório à volta do acontecimento. Minha mãe (14-03-1940) tinha a mania das cornucópias com creme de chantilly, crocantes e fazendo estardalhaço bastante dos restos de massa folhada que teima em fazer-se notar. Ao meu pai (02-12-1929) não podia faltar um jantar de família com abundância do que ele gostava mais. E o meu lá vinha sempre no dia das mentiras com todas as verdades a que tinha direito, nem que fosse um BOLO cheio de cremes. Adoro tudo o que tenha creme q.b. (dou folga à linha por um dia {#emotions_dlg.angel} )

 

Estou praticamente a um dia de fazer o 4 ao lado do 7, que, juntos, dá 47. Sou uma mulher de números e dou significado aos números: O 4 é o meu favorito (corresponde ao mês de Abril, nasci numa 4ª feira, ano 64) e 7 é o número de anos do Azoriana blog que se completam a 9 de Abril. E com esta “nova” idade fica marcado o lançamento do livro que, modéstia à parte, será o primeiro cujo título contempla a freguesia que contou a 1 de Janeiro de 2011, 139 anos de identidade própria (1+3=4).

 

O melhor presente de aniversário que me podem dar é estarem presentes na festa de sábado, dia seguinte (the next day) ao meu aniversário. Se avistar o teu sorriso já é uma linda prenda. E olhem que eu já sorri a alguns cartões que recebi com palavras muito lindas de agradecimento.

 

Desta vez e no próprio dia (1), não me apetece bolo (os cremes podem ser outros). Apetece-me uma boa PIZZA daquelas que vêm trazer a casa, acompanhada com bebida condizente, em confraternização familiar. Também peço paz e saúde (anda uma constipação a inquietar-me (nos)). Leite, alho, mel e limão (muito quentinho) antes de dormir fará algum efeito. A “santa” farmácia também pode fazer parte da “festa” para que a outra FESTA seja um dos dias mais felizes de uma vida que sorri e chora a qualquer hora…

 

Amanhã, também, é um dia especial: será a inauguração de um lugar interessante na freguesia das Doze Ribeiras, onde a cantoria terá um momento festivo. (Ou o mel faz efeito ou a mímica entra em cena!)

 

Angra do Heroísmo, na véspera do amanhã…

 

(Não sei se vou escrever amanhã porque o dia é “self-service” ou de leituras. Não sei se hoje é verdade o que amanhã pode ser peta.)

 

Minha porta fica aberta
E meu coração também;
Visita a Peta que tem
Esta prenda mais que certa.

My door is always open
And my heart is open too;
Visit me now and often
So this gift is more than true.

 

Rosa Silva (“Azoriana”)

Ao «Bom Dia Açores» de 31-Março-2011

31.03.11 | Rosa Silva ("Azoriana")

Obrigada!

 

Pedro Moura me convida
Para falar em direto
Sobre o livro de uma vida
E da Serreta com afeto.

 

Venho hoje agradecer
E Louvar o seu Bom-Dia
E a todos que estão a ver
Ante-véspera da alegria.

 

Um livro é uma paixão
Quando germina do centro
Traz à tona o coração
Com tudo o que tem lá dentro.

 

O livro assim comove
O berço da Mãe e meu
Ano cento e quarenta e nove
Desde que a Serreta "nasceu" (*).

 

Rosa Silva ("Azoriana")

 

Nota: (*) A Serreta foi independente da paróquia das Doze Ribeiras em 1 de Janeiro de 1862. (...)

Agradecimento(s) nas vésperas do lançamento

30.03.11 | Rosa Silva ("Azoriana")

Elevo a minha gratidão
Pla vossa digulgação
In the "Venus Creations"
Que nossa Cultura e Arte
Seja sempre a melhor parte
"Winning special emotions"!

 

A querida ilha Terceira
Vossa leal companheira
Irradia mais saudade
Por isso vamos cantando
E em rimas espalhando
O calor da amizade.

 

Pra quem vive no estrangeiro
E recorda do Terreiro
Do improviso popular
Sabe que não esquecemos
Aqueles que já não vemos
Numa quadra salutar.

 

Tudo isto faz sentido
Porque o elo é querido
Entre os de cá e os de lá
Um abraço sorridente
Envio a toda a gente
In América's e Canadá!

 

Rosa Silva ("Azoriana")

À «VOZ DOS AÇORES», na Califórnia

30.03.11 | Rosa Silva ("Azoriana")

 

À «VOZ DOS AÇORES»
 
Sinto-me deveras honrada
Com essa sua mensagem
E por ser acarinhada
No convite à reportagem.
 
No sábado o lançamento
Não sei o tempo que dura
Vai ser um grande momento
Que adoça nossa cultura.
 
A cultura açoriana
Vai muito além dos Açores
E no livro da semana
Vão rimas dos meus Amores.
 
Agradeço ao Director
Da linda "Voz dos Açores"
É digno de bom Louvor
Por tantos dos seus valores.
 
KIGS, em Hilmar,
Do Barbarense de gema,
De que tanto ouço falar
Abre hoje o meu tema.
 
No meu blog lhe dedico
Estas quadras improvisadas
E, muito, contente fico
Se na Rádio, forem içadas.
 
Califórnia leva a Terceira
Dentro do seu coração
E fica à nossa beira
Em qualquer ocasião.
 
A saudade quando aperta
Ressoa aos quatro ventos
Com a Rádio se deserta
Àqueles que estão atentos.
 
Os parentes e amigos
Com berço na, lilás, ilha
Farão parte dos artigos
Da festa, mesa em rosquilha...
Desde os tempos mais antigos
São bravos de sã partilha!

Rosa Silva ("Azoriana")
 
Veja-se:
 
 
 

Acerca da Cantoria (pela noite dentro) na Vinha Brava

27.03.11 | Rosa Silva ("Azoriana")

Angra do Heroísmo, 26/27 Março 2011

 

Ontem fui à cantoria

Tida no Bar do Medeiros

Vinha Brava, quem diria,

Teve Bravos pioneiros.

 

As cantigas uma-a-uma

Deram ares de boa graça

Essa noite foi em suma

Das rimas da nossa praça.

 

O Gaitada e José "Mitério"

Este da Casa da Ribeira

Levou a cantiga a sério

Sua rima é de primeira.

 

Isidro e Retornado

Outra dupla invencível

Também foram do agrado

Sua rima é apetecível.

 

Paulo Lima estreia comigo

A cantar ao desafio

Conhece o dom do artigo

Que no meu blogue já viu.

 

Ludgero e Valadão

Rimaram à defensiva

Mostrando que ambos dão

Ao povo expectativa.

 

Alvarino e o Medeiros

Fizeram honras da casa

Seus versos são os viveiros

Da hora que não se atrasa.

 

Com a hora adiantada

Retornou o Retornado

Casa da Ribeira louvada

Pelo verso bem acabado.

 

O riso pelas anedotas

Que vieram de seguida

Fez-me tomar umas notas

De uma forma sentida.

 

E no meu interior

Bradava com tal efeito

A Cantoria tem valor

Porque sai do nosso peito.

 

Quem ama a Cantoria

Como estrela da Cultura

Tal como eu já diria:

Nasceu p'ra nos dar a cura.

 

Se ela provoca o riso

A cura é um sucesso...

Enquanto houver improviso

É ali que eu regresso.

 

Estou grata ao José Santos

Que também já convidou

P'ra inaugurar os encantos

Que nas Doze encetou.

 

O dia 1 de Abril

Calha numa sexta-feira

Fica bem no meu perfil

Ouvir cantar noite inteira.

 

Quero a todos saudar

Bravos de muito valor

Que ontem ouvi cantar

Com sentido e rigor

E dizer sem hesitar

Por esse dom tenho amor.

 

São os ilhéus cantadores

Diga-se o que se disser

Junto com os tocadores

Venha lá o que vier

Heróis improvisadores

Que aceitam voz de mulher!

 

Rosa Silva ("Azoriana")

"Singrando Horizontes" de "Mensagens Poéticas" - Ademar Macedo

27.03.11 | Rosa Silva ("Azoriana")
Eu não ponho objeção
Ao trabalho meritório
Tenho a minha opinião
Quanto ao seu repertório.
 
Sobre "Mensagens Poéticas"
Muito bem organizadas
Certinhas nas suas métricas
Convém serem divulgadas.
 
Mas o sítio ideal
Não é carta electrónica
Deve ser universal
Congratulando a retórica.
 
Blog "Singrando Horizontes"
É Bom sítio literário
Cada qual com suas fontes
Vai fazendo o seu diário.
 
Trovas, Estrofes e Sonetos
Vêm de mentes iluminadas
Velam quadras e tercetos
De belas musas aladas.
 
Se meu nome aí está
P'la Virtual Academia
"Luca Bonfim" foi pra lá
Sendo eu Rosa Maria.
 
Meus amores pela rima
Contam sete anos apenas
Subiram na minha estima
Palavras são às centenas.
 
E agora para não maçar
Poeta Ademar Macedo
As trovas vou abraçar
Delas não farei segredo.
 
Rosa Silva ("Azoriana")

Da dedicatória da Chica Ilhéu, minha amiga, destaco:

25.03.11 | Rosa Silva ("Azoriana")

O teu livro acabei de ler,
E dele muito gostei,
É fruto do teu saber
Disso nunca duvidei!

"Serreta na Intimidade",
Foi o título escolhido,
Nele sente-se a saudade
O nome tem seu motivo!

Dos poemas lá escritos,
De todos o que mais gostei,
Embora todos bem bonitos
Um, deles eu destaquei!

VERSOS DE MÃE" Salvam vidas...
Dizes no teu poema
Rimas nessas linhas queridas
A tua dor e dilema!

Do BODO falas também,
Da Senhora e Procissão,
Mas sem nunca esquecer a Mãe
Que trazes no teu coração!

Dedicas-te ao Alfenim,
Umas rimas com Louvor,
Falas-te do teu cantinho
Com muito carinho e amor!

Serretense que se preza,
Tem sempre muita devoção,
Trabalha, festeja e reza,
Com a freguesia no coração!

A os amigos dedicas-te,
Umas rimas ao teu jeito,
E se às vezes não rimas-te
Nem tudo sai a preceito!

Não esquecendo a Cidade
De Angra do Heroísmo,
Com palavras a rimar
Falas-te no Patriotismo!

Nestas minhas quadras singelas,
Deixo a minha admiração,
Deixo um abraço apertado
Do fundo do meu coração!

A Amizade é o maior bem,
Que o Ser Humano pode ter,
Assim o faço também,
E penso bem merecer,
Um abraço te quero dar
E, dizer-te: -"PARABÉNS!"
Pelo livro que vais lançar
Que vivas por muitos anos!


CHICA -24-3-2011

Obrigada!

A prova (dedicado a Victor Rui Dores)

25.03.11 | Rosa Silva ("Azoriana")

Sei que não mereço ess'outra alegria
Sei que não esqueço a vera simpatia
Sei que um sonho se molda com razão
Sei que a vida é um singelo quinhão...

Sei que o Dores é homem que cria
Sei que o Faial é a sua moradia,
Sei que o sonho se fez com missão
Sei que a vinda enlaça a Região.

Mas o que eu sei a quem importará?!
Que diferença a uns tantos fará?!
Nossa ventura é 'inda termos cultura...

Sabem o que é o gosto de boa mãe
Que parte e deixa nas filhas que tem
A prova que morte não é fim mas cura.

 

 

Rosa Silva ("Azoriana")

Índice temático: Rosa e rimas do coração

Pág. 1/5