Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Açoriana - Azoriana - terceirense das rimas

Os escritos são laços que nos unem, na simplicidade do sonho... São momentos! - Rosa Silva (Azoriana). Criado a 09/04/2004. Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores. A curiosidade aliada à necessidade criou o 1

Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(940...pausa... 981)

Motivo para escrever:

Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********

Com os melhores agradecimentos pelas:

1. Entrevista a 2 de abril in "Kanal ilha 3"



2. Entrevista a 5 de dezembro in "Kanal das Doze"



3. Entrevista a 18 de novembro 2023 in "Kanal Açor"


**********

Mentira vs Verdade

28.02.15 | Rosa Silva ("Azoriana")

A MENTIRA
NÃO CONVÉM

Uma mentira bem feita
Passa bem por ser verdade
Só que no inferno deita
Quem a disse com maldade.

Quem mente na perfeição
Para salvar sua pele
Jamais terá salvação
Nem há santo que o zele.

Portanto toma sentido
Se és amigo de enganar
Em vez da verdade usar.

Podes pensar que ao ouvido
A mentira passa bem...
Perna curta é o que ela tem!

Rosa Silva

 

A VERDADE
É MELHOR BEM

A verdade é água pura
Limpa a qualquer temperatura;
Verdade só pode ser
Na honra que é de a ter.

Há verdades que machucam
E outras que até culpam,
Mas sincera é a verdade
Que leva à eternidade.

Verdade nasce de um jeito
Que se cola em nosso peito
E no olhar se detém.

Quando olhas à tua frente
A verdade é somente
O melhor bem que se tem.

("Azoriana")

Ave Maria (a oração do dia)

28.02.15 | Rosa Silva ("Azoriana")

Ave Mãe que a Vossa Graça
Ao Romeiro dê conforto
Que qualquer rua ou praça
O leve sempre a bom porto.

O Senhor está convosco
E com Romeiro também
Jamais seu terço é tosco
Pra rezar à Santa Mãe.

Bendita entre as mulheres
E entre os seres que Vos amam
Fazei tudo o que puderes
Pelas preces que declamam.

Bendito o Filho Jesus
Que sofreu pra nos salvar
Só continua na Cruz
Quem não quer ressuscitar.

Santa Maria, Mãe de Deus
Rogo na minha oração
Protege os entes meus,
E toda a população.

Rogai por todos os tristes
Porque triste é o pecado
Mas de nós jamais desistes
Nem o Teu Filho amado.

Quero ter um eco forte
No fim desta romaria
P'ra rezar antes da morte
Uma doce AVE-MARIA!

Rosa Silva ("Azoriana")

Nota: Agradeço ao Coluna pela inspiração que me trouxe o seu lindo poema alusivo aos Romeiros.

Ando cá com uma pachorra...

25.02.15 | Rosa Silva ("Azoriana")

Bom dia

Hoje estou com aquele sintoma que me apetece rir por tudo e por nada. Gaitadaria mesmo!

Apetece-me rir mas não pode ser de boca escancarada porque as crateras ficam à exposição pública. Basta um riso sonoro :)

Estou pasma com os tempos que correm cheios de novidades tristes e macabras. Uns porque sim, querem viver mas vivem psicologicamente anafados. Outros porque não, e zás pegam de si e vão embora de forma propriamente normal ou feita por suas próprias mãos.

Só questiono o porquê desta situação que nos rodeia a cada passo? Se é consequência da crise económica? Se é consequência de outras crises piores ainda? Pois, não sei que responda a tanta barafunda de mentes que, no fundo, precisam é de um grito maior que atordoe o ser e faça ver que afinal tudo isto que se vai passando na vida terrena é suportável para uns e o contrário para outros, que se fizeram mais frágeis perante as intempéries do dia-a-dia.

Basta de tanto adormecer a dor. Durma-se e pronto. Se uma noite não chega, peça-se para dormir quatro ou cinco até que se acorde com a cabeça limpa de mofo. Por experiência própria, nada melhor do que umas noites bem dormidas nem que seja a toque daquelas pastilhas que fazem a vida parecer bela porque mascaram a realidade.

Mas quando dormir não é o remédio para tapar as bocas famintas, há que ultrapassar o queixume e pôr mãos à obra diária e fazer das tripas coração, ao ponto de se esconder o mal que nos atormenta (se for passageiro ou melancólico apenas).

Em tempos idos, uns caldinhos de farinha e outros caldos curavam as mazelas de primeira instância ou sazonais. Hoje já nem se sabe fazer tais caldinhos. Recorre-se ao químico mais adequado e zás que se cure depressa seja o que for porque há que ter a janta a jeito de entornar no bucho.

Acham que estou deprimida?! Qual quê! Se fosse no tempo da outra senhora, ela me diria: Vá lá, precisas é de esfregar mais chão com escova e sabão azul e branco que isso passa-te! É verdade! Gastar as forças físicas (e psicológicas) é a melhor solução para quem entroniza uma depressão.

Lavar roupa à mão, varrer com vassoura, cavar com a enxada a terra para a sementeira, ajudar o próximo, etc, são atividades que curam qualquer mal-estar, salvo se existe doença física mesmo.

Quem está doente com temperaturas altas e sintomas reais e palpáveis deve ir ao médico… Ultimamente os serviços de saúde estão a abarrotar de gente com tais males que nem tem meios suficientes para escoar corredores e salas de espera. Enfim, acho que anda um mal geral a querer contradizer tudo o que escrevi acima.

Que venha umas bolas do rei Baco para a mesa e uns caldinhos para adormecer a dor seja ela qual for. (Por mim estou com dores de garganta q.b.)

Angra do Heroísmo, 25 de fevereiro de 2015.

Rosa Silva (“Azoriana”)

Homenagem aos Reis do Carnaval

22.02.15 | Rosa Silva ("Azoriana")

A seguir ao Carnaval
Espero não levarem a mal
Voltar ao tema outra vez.
É que enquanto há vida
Ela deve ser tecida
Com o melhor que se fez.

Com a maior simpatia
A homenagem neste dia
Vai na voz habitual.
Há pessoas tão queridas
Que dão tudo de suas vidas
Ao grandioso Carnaval.

Uma é o Ti Alcin'o
Que além de dançarino
Faz rir nosso pessoal.
Criador de rimas ricas
Risonhas e magníficas
Sexagenário do Carnaval.

Outra é o grande herói
Hélio Costa sempre foi
De assuntos escritor.
Saudações e despedidas
Foram tantas e seguidas
Tudo fez com muito Amor.

João Mendonça, o destemido,
Refinado e garantido
É seu dom carnavalesco.
Faz-nos rir com o seu jeito
Na sua arte é perfeito
Seu valor é gigantesco.

Mais podia homenagear
Não me canso de elogiar
Os artistas da Terceira.
Na escrita de maresia
Dá-nos beijos de poesia
Poeta Álamo Oliveira.

Elevo António Mendes
Outro ás que também tendes
Gosto pela sua arte.
É um vulto importante
Pró ilhéu e emigrante
Seu talento se reparte.

Perdão para quem não vem
Nesta onda que se tem
Por ser a melhor da ilha.
Todo aquele que escreve
A ilha também lhe deve
Homenagem de partilha.

Por todos tenho estima
Quando a taça da rima
É salutar e festeira.
Por isso é que eu amo
Dar-vos, com gosto, o que chamo
De Cheirinho da Terceira.

Rosa Silva ("Azoriana")

Nota: Foi para o ar no sábado, 21 de fevereiro de 2015, na "Voz dos Açores", de Euclides Álvares, na Rádio Portugal USA.

Palco açoriano - ilha Terceira

15.02.15 | Rosa Silva ("Azoriana")

As rimas escondem dores
Nas cantigas de alegria
E voam pelos Açores
Como aves de folia.

Os versos são de sorriso
Espelhando a nossa alma
Com ares de improviso
Que nosso povo acalma.

São peças de alfenim
Coroadas de bom fundo
São maresias de cetim
Banhando o nosso mundo.

Sobe ao palco cada ano
A arte de velho e novo
O teatro açoriano
É popular, é do povo.

Rosa Silva (Azoriana"")