Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Açoriana - Azoriana - terceirense das rimas

Os escritos são laços que nos unem, na simplicidade do sonho... São momentos! - Rosa Silva (Azoriana). Criado a 09/04/2004. Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores. A curiosidade aliada à necessidade criou o 1

Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(940...pausa... 981)

Motivo para escrever:

Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********

Com os melhores agradecimentos pelas:

1. Entrevista a 2 de abril in "Kanal ilha 3"



2. Entrevista a 5 de dezembro in "Kanal das Doze"



3. Entrevista a 18 de novembro 2023 in "Kanal Açor"


**********

1 Faúlha

30.11.17 | Rosa Silva ("Azoriana")

Minha escrita não debulha
Tudo o que me vai no ser:
Há ‘inda muita faúlha
Que teima em alvorecer.

Reza o credo e a fagulha
Do que tenho por viver…
E por tudo vem à bulha
O que gosto de escrever.

Tenho a valsa da ternura
Pelos laços de cultura
Que nascem na Região.

Na ilha que gosto tanto
Nasceu todo este espanto
Nas letras que minhas são.

2017/11/30

Rosa Silva ("Azoriana")

Somos perfume da ilha

22.11.17 | Rosa Silva ("Azoriana")

Nas marés da mocidade
Há uma onda de euforia
Quando rola a outra idade
Outro perfume irradia.

Há um perfume que invade
A ilha da cortesia
Seja no campo ou cidade
O perfume é poesia.

Há um prazer salutar
Que nos beija a palavra
Da letra que por nós lavra.

Há um verso a perfumar,
Que à solta se expande,
Por onde quer que se ande.

Rosa Silva ("Azoriana")

Pétalas de bruma

21.11.17 | Rosa Silva ("Azoriana")

Cantei ao Sol e à Lua
Na terra junto do mar,
Temi que fosse chorar
No verso que em mim flutua.

Vesti minha voz tão nua
Com a bruma do teu olhar
Que o cio fez aumentar
O canto em fase crua.

Sou lua (pétala de bruma)
És sol (na flor da canção)...
Amantes em terra ardente.

Sou nada, coisa alguma,
És tudo, meu coração,
Sou flor de vida somente.

Rosa Silva ("Azoriana")

Trilho do olhar

21.11.17 | Rosa Silva ("Azoriana")

Nem sempre te vejo assim
No leito do mar ancorado,
Num tom anil marejado,
Espelho em versos sem fim.

A noite trouxe-te, enfim,
No trilho do olhar fatigado,
Por um murmúrio salgado,
Que te fez entrar em mim.

De longe és a descoberta
Do príncipe que me aperta
À linha da escuridão...

De perto sei que és Monte
Brasil que vejo defronte
Dos olhos da minha paixão.

Rosa Silva ("Azoriana")

Ainda não parti e já tenho saudades

13.11.17 | Rosa Silva ("Azoriana")

Ver os meus três filhos juntos, sentados numa mesa de um restaurante, é um prazer imenso, um orgulho intenso, e um amor solene. Todos adultos faz-me pensar que estou no troço final de uma meta quase atingida. Vê-los juntos é uma alegria… e a saudade já paira no meu íntimo, antes mesmo da minha partida última.

Aida Alexandra, Luís Carlos e Paulo Filipe estavam divertidos e divertiram-me. É bom estar com eles (12/11/2017). Que pena não voltar atrás e refazer o que de menos bom possa ter feito. O resultado, por outro lado, está à vista: são as flores do meu jardim de vida. São eles que mimam o meu presente.

Declaro-me uma mãe feliz. A distância nunca será um afastamento mas sim um maior aconchego ao coração e uma permanência no pensamento.

Todos seguimos as nossas vidas e cada um de nós tem uma missão. Que a nossa seja atingida em pleno.

13/11/2017

Rosa Silva (“Azoriana”)

"Porque Hoje He Sábado"

11.11.17 | Rosa Silva ("Azoriana")

Sábado em tons outonais

E de Olegário Paz

Que de bom grado nos traz

Outros tons lindos demais.

 

Sábado dos ancestrais

Poemas que ao mundo dás

Num tom que me satisfaz

Como fazem os jograis.

 

Linda açorianidade

Grande popularidade

Na patente do Açor.

 

Voa alto leve palavra

Que no coração se lavra

Com um traço de valor.

 

Rosa Silva ("Azoriana")

Aniversário de Adelina Carreiro

11.11.17 | Rosa Silva ("Azoriana")

No dia de S. Martinho
Nasce a menina Adelina
Que de Martins se assina
E de Carreiro é o ninho.

Com castanhas e bom vinho
Ou mesmo água cristalina
Com bom ar se ilumina
Este dia de carinho.

Hoje tens os melhores bens
E dou-te os meus parabéns
Com os versos de improviso.

Sejas sempre muito feliz,
Na ilha da tua raiz,
Onde há festa e há sorriso.

Rosa Silva

Louvo Pedro Neves, do SAPO

03.11.17 | Rosa Silva ("Azoriana")

Muito bom dia, tarde ou noite!

Espero que estas linhas o vão encontrar de boa saúde. Mesmo sem saber sua filiação, residência, habilitações académicas e profissionais, estado civil, e todas essas identidades pessoais, sei que é fã de corrida, bibliotecas e blogs. Quem não conhece Pedro Neves nem que seja pela Ajuda de Blogs e interesse por quem está inscrito no maior Serviço de Apontadores Portugueses?!

Nesta data, sexta-feira, 3 de novembro do ano de 2017, dia de aniversário da minha querida irmã, lembrei-me de si e de todo o seu zelo e dedicação a uma causa que é de todos os que lançam dedos às teclas e vão lançando obra para o mundo virtual que até tem permissão para ser real. Foi o meu caso. Em 2 de abril de 2011 lancei o meu primeiro livro graças à inspiração que fui tendo e à cortesia dos Blogs do SAPO. Muito obrigada amigo!

Quem sabe me responderá a esta cartinha eletrónica e até me confidenciará se tem família, se conhece as ilhas dos Açores, se do que eu vou escrevendo lhe dá vontade de conhecer a ilha lilás: a Terceira de Jesus, das Festas e das Touradas!

Caro Pedro, sei que não tem tempo a perder mas antes que a vida se nos aparte quero deixar-lhe a minha homenagem por tudo junto, pela sua atenção, sorriso e colaboração.

Um grande abraço da

Rosa Silva ("Azoriana")

Louvo Pedro Neves

Com enorme gratidão
Porque grata eu estou
Recebe com satisfação
O verso que ora te dou.

Destaco com emoção,
Emotiva também sou,
E com toda a prontidão
Eis o que mente brotou.

Seja esta hora feliz
Com a rima de raiz
Para bordar de carinho.

Pedro e SAPO tudo junto
Tecem um belo conjunto
Como a uva e o vinho!

Rosa Silva ("Azoriana")

A matança do porco

03.11.17 | Rosa Silva ("Azoriana")

Na freguesia da Serreta, e do que lembro da nossa casa, a matança do porco era a maior folia do ano e a abundância no lar. Daquele porco, alimentado com as chamadas "lavagens" (restos de comida e alguma farinha à mistura), milho, etc., tinha-se o produto para sustentar a família.

Convidava-se a família e parentes acostumados a essas grandes manobras e a casa ficava numa alegria nesse dia.

Minha mãe e minha avó escondiam-se na hora da faca fazer o último suspiro do bicho. Eu é que era chamada para aparar o líquido vermelho no alguidar com sal no fundo. Eu ia mas confesso que me arrepiava um pouco, não fosse o bicho revoltar-se e atingir-me em cheio. Claro que isso não era permitido porque os braços robustos dos homens o aguentavam fortemente em cima do banco de madeira feito pelo meu pai, que era também o marchante.

Depois era a tarefa divertida do lavar as tripas do porco, cuja bexiga depois de relativamente limpa, se enchia como um balão para servir para a "canalha" jogar. O rabo do porco era a mascote para pendurar na traseira do marchante. A graça era ele nem desconfiar que ele lá estava para fazer a risada geral.

Ainda havia tempo para a vizinhança convidada vir ver o toucinho do porco dependurado no tirante, de cabeça para baixo, ao contrário do que se faz na ilha do Pico.

Bolachas, biscoitos, anis, licores, aguardente, vinho abafado e, por vezes, algum bolo faziam as delícias dos convivas e da mesa um perfume apetecível inundava as nossas narinas que também tinham outros odores mais fortes e próprios daquela tarefa de todos.

Torresmos de toucinho, de carne, morcela, sarapatel, enchiam as mesas no próprio dia e no seguinte. Adorava quando a minha madrinha do batismo, Maria das Neves, me deixava fazer a réplica pequenina do lume de lenha, onde eu colocava uma lata de atum vazia com um torresminho a derreter, como que a imitar a sua árdua e boa tarefa: derreter os torresmos temperados à sua maneira e com uma dose de leite para que os torresmos ficassem dourados, bem ao gosto da minha avó materna.

Saudades?! Talvez. Não tanto de manusear as carnes mas de ter a família mais chegada junta na nossa casa e viver toda a euforia que eu própria tinha e transbordava.

Vou terminar este pequeno historial porque já sinto uma lágrima a querer rolar-me no rosto. Só queria voltar atrás por um dia: o dia de todos felizes como santos.