Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Açoriana - Azoriana - terceirense das rimas

Os escritos são laços que nos unem, na simplicidade do sonho... São momentos! - Rosa Silva (Azoriana). Criado a 09/04/2004. Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores. A curiosidade aliada à necessidade criou o 1

Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(940...pausa... 981)

Motivo para escrever:

Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********

Com os melhores agradecimentos pelas:

1. Entrevista a 2 de abril in "Kanal ilha 3"



2. Entrevista a 5 de dezembro in "Kanal das Doze"



3. Entrevista a 18 de novembro 2023 in "Kanal Açor"


**********

Cheia de lua

12.01.20 | Rosa Silva ("Azoriana")

À janela está a lua
Toda redonda de brilho
Tanto é minha como é tua
Como mãe que gera o filho.

Em janeiro cá na rua
Enrugada no meu trilho
Vejo que ela em mim atua
Como o dedo no gatilho.

Ó minha lua vestida
De carinho, doce mel,
Tendo o céu como painel.

Canta janeiras, querida,
Enfeita males de tinta
Que o meu verso a ti pinta.

Rosa Silva ("Azoriana")

A ilha em poema

11.01.20 | Rosa Silva ("Azoriana")

Ilha transpira de mar
A Terra que está a nu
O homem transpira a cru
Nos olhos do verbo amar.

Terceira é ilha sem par,
Não é como eu e como tu,
Tem o poema da Turlu
Que brilhou por cá morar.

E louvo a vida em rima
A gente que ama e estima
Os poetas da Terceira.

E traço a linha do verso
Que mergulha no universo
Com amor pra vida inteira.

Rosa Silva ("Azoriana")

Salva-nos

10.01.20 | Rosa Silva ("Azoriana")

Tanto pedido Mãe doce
Te fazem ao sabor da fala
Um Credo como se fosse
O Amor que não se cala.

A flor de Ti abeirou-se,
Jesus outra mão embala,
E o retalho formou-se
Do Amor que não se cala.

A Coroa das mesmas flores
Alvas de Paz e de Fé
Lavram pureza de cores.

Santuário Mariano
- Jesus, Maria e José -
Salva a dor do ser humano.

Rosa Silva ("Azoriana")

A ilha da Festa

08.01.20 | Rosa Silva ("Azoriana")

(Inspirada na imagem de Pedro Ivo)

A nossa gente é assim
Não admira afinal,
Uma alegria sem fim:
Festas, Natal e Carnaval...

Celebra-se tudo, enfim,
Ó ilha do festival,
Que eu até dou por mim
A ver tudo no canal.

Mas que alegria é esta
Por toda e qualquer festa
Redonda ilha insular?!

É o trabalho cantado
Do povo mais animado
Da Terra mais popular.

Rosa Silva ("Azoriana")

Ao dia 6/1/2020 - Reis Magos

05.01.20 | Rosa Silva ("Azoriana")

Quase o dia a chegar
Das Coroas da Epifania
Apetece a elas juntar
Versos pra lembrar o Dia.

Três Reis não fazem birra:
Belchior leva o ouro,
Baltazar leva a mirra
Gaspar incenso, rei louro.

O velho sabedoria,
O negro rei da pureza
O novo da Epifania
Tem a fé por fortaleza.

Dizem que o ouro é pró Rei
Que a mirra é para o homem
Do incenso eu já sei
Que para Deus o consomem.

Fumega incenso no Altar
Com perfume inebriante
Na procissão a passar
Não deixa o povo errante.

Precisamos dia seis
Novos Magos ao caminho
Epifania de Reis
Com Paz, Amor e Carinho.

Da Pérsia o Belchior
Da Arábia o Baltazar
Da Índia nada pior

O que se chama Gaspar.

Rosa Silva ("Azoriana")

Querida Kathie Baker

03.01.20 | Rosa Silva ("Azoriana")

Uma das alegrias que tenho
No mundo da blogosfera
É saber que ainda retenho
Um olhar que me espera.

Kathie Baker grande amiga
Que não me deixa em vão
É uma leitura antiga
Dos versos que de mim são.

Traduziu tantos deles
Em conjunto com doutores
E também devo a eles
Como a ela mais louvores.

Da ilha Terceira, Açores,
Da graça deste condão,
Um abraço aos autores
De tão bondosa tradução.

Bem sei que sou quase nada
Um grãozinho de areia
Mas sempre fui inspirada
Pelo Amor que me incendeia.

Aos meus pais (a minha mãe)
Que à Terra me doaram
E àqueles que ainda tem
O bem que me devotaram.

Obrigada Kathie - always -
Por aqui me acompanhares
Aos anos! São mais que seis
Os teus olhos nestes ares.

Andei à tua procura
Nos artigos que escrevi
2008 a candura
Da amizade por ti.

Rosa Silva ("Azoriana")

A propósito do "DI" de 1/1/2020

01.01.20 | Rosa Silva ("Azoriana")

Que "belo" jornal
- O rosto do Sismo -
Que foi infernal
Medo sem lirismo.

Abriram-se "portas"
Pra reconstrução...
Feridas e mortas
Casas e população.

Quinze anos tinha
Senti-me deserta
E na mente minha
O temor desperta.

Tanto sinistrado...
"Arregaça as mangas"
Pra ver restaurado
O seu sem ter zangas.

Casaco amarelo
Foi o meu retrato
Grosso e singelo
No "frio" sem trato.

Vi tudo ondular
E a torre da igreja
Mais pedra a pular
Num instante esteja.

Vi gente a bradar,
Vi gente a sofrer,
Muitas a rezar
Por gente a morrer.

O dia era noite
A noite era dia
Parecia açoite
A réplica temia.

Passados quarenta
Anos da memória
Ainda é tormenta
Na nossa história.

Hoje está cinzento,
O dia é sombrio,
Ainda o lamento
Ainda o meu frio.

Querido leitor
Da quadra que sai
Lírio de louvor
Na mente vos cai.

Permanece ferida
Tarde de janeiro
Que foi re-erguida
Com muito dinheiro.

Crédito afável
Para sinistrado
Em tempo notável
Foi recuperado.

Por fim uma fita
Branca pela Paz
E amizade à Zita
Que na terra jaz.

Aida da Conceição
Partiu aos cinco dias
E desde então
Nem lhe restam tias.

Também já perdi
As folhas da vida
Dos que atendi
Em certa medida.

Foi aquele Sismo
Que me deu trabalho
Angra do Heroísmo
O meu agasalho.

De oitenta e dois
A oitenta e cinco
P'ra seguir depois
Com o mesmo afinco.

Assuntos Sociais
E agora Saúde
Foram capitais
Na obra que pude.

Tudo de mim dei
Com brio e coragem
Tantos passos dei
Na longa viagem.

Nasceram três filhos
Lilás descendência
Que seguem os trilhos
Da mãe consciência.

Ó terra querida
Onde fui gerada
Bandeira tecida
Por quadra rimada.

Cristo te proteja
Como sempre fez
E que não mais veja
Tal Sismo outra vez.

E finda o espaço
Da minha escritura
Num cândido abraço
De Amor e Ternura!

1/1/2020

Rosa Silva ("Azoriana")