Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Açoriana - Azoriana - terceirense das rimas

Os escritos são laços que nos unem, na simplicidade do sonho... São momentos! - Rosa Silva (Azoriana). Criado a 09/04/2004. Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores. A curiosidade aliada à necessidade criou o 1

Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(940...pausa... 981)

Motivo para escrever:

Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********

Com os melhores agradecimentos pelas:

1. Entrevista a 2 de abril in "Kanal ilha 3"



2. Entrevista a 5 de dezembro in "Kanal das Doze"



3. Entrevista a 18 de novembro 2023 in "Kanal Açor"


**********

Angra princesa

28.02.21 | Rosa Silva ("Azoriana")

Angra é uma delícia
Para quem a visitar...
De trabalho com perícia,
Perfumada pelo mar.

Angra do mar é polícia
Fortaleza a vigiar
Para que haja notícia
Da cidade de encantar.

Ó cidade imortal,
Sobredotada e leal,
Patriota e portuguesa.

Cada vez que eu te vejo,
Nasce, em mim, novo desejo
De louvar-te sã Princesa!

Rosa Silva ("Azoriana")

À minha prima Rosa Maria Sá Pereira

26.02.21 | Rosa Silva ("Azoriana")

Mote:

Sou feliz com tão pouco
E do pouco que eu tenho
Faz o pensamento louco
Para ver se o mantenho.

Glosa:


Há uma vida com tudo
E anda o mundo oco
O meu lema é contudo:
Sou feliz com tão pouco.

Há muita guerra atroz
Por herança sem tamanho
Sou feliz pelos avós
E do pouco que eu tenho.

Há quem não pense enfim
Ou fale até ser rouco;
Ha uma doença ruim
Faz o pensamento louco.

Vamos partilhar beleza
Natural como um desenho...
Ao juízo dar destreza
Para ver se o mantenho.

Rosa Silva ("Azoriana")

Sol de lirismo

21.02.21 | Rosa Silva ("Azoriana")

Marina de redondel
Protetora de veleiros
Dourada com o pincel
Dos raios de sol tinteiros.

Marina nobre painel
De Angra e marinheiros
Que ancoram o batel
De perto ou de estrangeiros.

Uma roda pequenina
Serve de nossa Marina
Dourada de heroísmo.

Dou de mim tudo o que posso
Por amar o bem que é nosso...
E à Marina dou lirismo!

Rosa Silva ("Azoriana")

O meu terço

21.02.21 | Rosa Silva ("Azoriana")

o meu terço

Até ao último suspiro
O meu terço é de versos
Que surgem de mim dispersos
E que muito mais admiro.

O meu terço não retiro
Dos sonetilhos inversos
No meu coração submersos
E de lá eu os transfiro.

Já não sei rezar por mim
Na colateral do fim
De uma data invisível.

Tenho medo... medo atroz,
Da vida que é veloz...
De âncoras impossível.

Rosa Silva ("Azoriana")

Um cálice de penas

20.02.21 | Rosa Silva ("Azoriana")

Sempre que um homem chora
É pena tão maculada
Não se pode fazer nada...
Finda quando vai embora.

O choro também decora
Uma rima assim bordada
De penas (a dor dobrada)...
[Não sei se a morte demora].

Visto versos como vento,
Tenho pena de os deixar
No cálice de aquém-mar.

Tenho duplo sentimento:
Viver tem partes amenas...
Só a morte veste penas.

Rosa Silva ("Azoriana")

19/02/1927 Lembro-me dela... (Clarisse Barata Sanches - RIP)

20.02.21 | Rosa Silva ("Azoriana")

Dela não se faz teatro?!
Se viva, ontem, faria
Os seus noventa e quatro
Lembro, hoje, quem diria?!

Sanches, Clarisse Barata
Grande verso eu queria,
Numa rima muito exata,
Mas só ela a contaria.

Tinha versos como flores
E rima de grande conta,
Que mandava p'rós Açores
Sempre de alegria pronta.

Minha boa, grande amiga,
Poetisa lá no Céu,
Oxalá que ela consiga
Da mãe receber troféu.

Tanto que dela falava,
E da minha que lá tenho;
Só que jamais esperava
Não ver mais o seu empenho.

Clarisse, meus parabéns,
Neste dia adiante,
Os teus livros são os bens
Que guardo na minha estante.

Festeja com teu irmão,
E tua jovem sobrinha,
Aos outros que lá estão
Festeja como rainha.

Se vires o meu olhar,
E violetas à janela,
São as rimas de além-mar
A louvar a festa bela.

Rosa Silva ("Azoriana")

Clarisse Barata Sanches

Ao Carnaval 2021 (Fontinhas)

15.02.21 | Rosa Silva ("Azoriana")

Parabéns com uma vénia!

Que maravilha de voz
Ecoa em qualquer lugar
Em companhia ou a sós
Merece em rima louvar.

Em nome da nossa Cultura
E das boas tradições
A sua voz é doçura
Que brilha nos nossos salões!

As Fontinhas nos consola
Com uma voz de ouro
O violão desenrola
O valioso tesouro.

Sejam estas quadras minhas
As flores que de mim dou
Num bouquêt para as Fontinhas
Pelo que Hildeberto cantou.

E também ao bom papel
Que se juntou ao seu
Ao sr. José Gabriel
Que um verso mereceu.

Eu estou emocionada
Cheia de felicidade
Por ouvir vossa toada
No Kanal da amizade.

Rosa Silva ("Azoriana")

Dança, dança comigo! (Zé Nandes)

15.02.21 | Rosa Silva ("Azoriana")

Zé Nandes

Ó Zé Nandes faz cantiga
Aqui para a tua amiga
Que afinal também é prima
Este ano é anormal
Mas festeja o Carnaval
Com a delicada rima.

Não importa onde estejas
Só quero que tu me vejas
Como Rosa de aventura
E no regaço uma flor
Que é sonho de valor
Que rima a sã Cultura.

És grão-mestre da Terceira
No que toca à brincadeira
Mesmo entre os demais
Faz com que haja sorriso
No palco do improviso
Nestas redes sociais.

Minha prece aqui vai
Como a oração ao Pai
E à Mãe que a todos quer;
Esteja no Céu a tua
E a minha que me atua
Doce rima de mulher.

Fica a Rosa mesmo agora
Olhando o lado de fora
Onde o sol veio com vento...
Será que trouxe recado
De um beijo recheado
Com tua fé e talento.

Se voltares à nossa beira
Volta e beija a Bandeira
Do Divino Espírito Santo;
A coroa e cetro então
Te recebam em união
E vem ver-me no meu canto.

S. Carlos, nos Folhadais,
Entre os muros e os ais
Fico eu mais inspirada;
Em verso estou cantando
Como quem está orando
Frente à Virgem, nossa Amada.

Espero de ti a resposta,
Por ventura, bem disposta,
Vinda com grande alegria;
Esquece um pouco a ideia
De não ver a casa cheia
Mas ver fora a pandemia.

É impossível deixar
De nesse vírus falar
Mesmo com mais desagrado,
Quero é seguir em frente,
Louvar tanto, tanta gente,
Que trata o adoentado.

Zé Nandes eis que no fim:
És o cravo, és alfenim,
És o canto d'esperança;
Faz reinar à tua altura
Uma voz sã e segura
Como se fosses a Dança!

Rosa Silva ("Azoriana")

Bodas de Ouro Carnavalescas: A João Mendonça

15.02.21 | Rosa Silva ("Azoriana")

João Mendonça
Foto da direita da autoria de Fernando Pavão

Da Agualva ao Porto Judeu
E mais longe tudo é teu
Homem de arte e cultura
Muito mais que a tua altura.

Homem que honra o que é seu
E já muito ao mundo deu
Com graça, dom e ventura,
Saber fazer com estrutura.

Viva, viva bom João,
Filho d'ilha e região,
Que amou a vida inteira...

É de ouro a sua Boda
Que reúne a verve toda
Em aplausos na Terceira.

Rosa Silva ("Azoriana")

Pág. 1/2