Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Açoriana - Azoriana - terceirense das rimas

Os escritos são laços que nos unem, na simplicidade do sonho... São momentos! - Rosa Silva (Azoriana). Criado a 09/04/2004. Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores. A curiosidade aliada à necessidade criou o 1

Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(940...pausa... 981)

Motivo para escrever:

Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********

Com os melhores agradecimentos pelas:

1. Entrevista a 2 de abril in "Kanal ilha 3"



2. Entrevista a 5 de dezembro in "Kanal das Doze"



3. Entrevista a 18 de novembro 2023 in "Kanal Açor"


**********

Paróquia em aniversário - 31/08/2023

31.08.23 | Rosa Silva ("Azoriana")

Cento e dezasseis aponta
O alto do campanário
Em alegria se apronta
O eco do aniversário.

Era sábado, festa pronta,
Assentou o breviário,
Antevéspera hoje na conta
E véspera do novenário (*).

Filarmónica é também
Um brilharete de agosto
No nome que ela contém.

É Recreio Serretense
Por alvará lhe foi posto
E em justa festa vence.

Rosa Silva ("Azoriana")

 

(*) No primeiro dia de setembro 2023 (dedicado à Filarmónica Recreio Serretense e Grupo Coral do Santuário Diocesano de Nossa Senhora dos Milagres) inicia-se a novena a Nossa Senhora dos Milagres, preparatória da sua Festa que é de 1 a 14, segunda semana do mesmo mês.

Artigo relacionado

Vamos até Maria!

29.08.23 | Rosa Silva ("Azoriana")

1a_atenção_pela_Serreta_no_DI_29082023

Clique na hiper ligação acima e fique a par do que a minha mente engendrou. Uma mente que não para de pensar e faz uso dos dedos todos no teclado que canta a cada toque.

Estamos perto da festividade religiosa e profana que é, por excelência, a minha predileta. Não sou de ir a muitas festas de paróquias que não são da minha habitual presença, exceto se por motivos muito fortes.

Já sinto o cheiro da massa sovada, da alcatra, e outros perfumes naturais que asseiam os nossos olhares e olfatos. Vamos até Maria? Ela nos espera na freguesia da Serreta, na segunda semana de setembro/2023. Uma festa para Todos, sem exceção.

Rosa Maria ("Azoriana")

P.S. Oferece-me um artigo teu (com ou sem imagem, ou só imagem)? Fará parte de uma bonita coletânea, sem fins lucrativos ou outras intenções que não sejam apenas de louvor e glória!

Louvo António Couto...

29.08.23 | Rosa Silva ("Azoriana")

... por este e outros artigos alusivos à minha freguesia natal.
Eis um comentário que partilho, novamente:

Tinha precisamente sete anos de idade. Corri para ver passar aquela maravilha de viaturas em direção à nobre Estalagem da Serreta. Não sei bem o que se pensava sobre isso, na altura, mas tudo o que desse movimento diferente à freguesia, para mim, era motivo de correria para ir ver passar. Lembro de outras correrias para ir ver um senhor com os olhos vendados que resolveu (não sei bem motivo) dar a volta à ilha de carro, fazendo a delícia de acreditarmos nessa proeza nunca vista por estes bandas iluminadas de paz e sossego (antigamente).

Também corri para ver os soldados em viaturas pesadas a levar escombros e outros materiais das freguesias vizinhas para o lado, também da Estalagem, para depositar onde tinham ordem de despejar.

Corri para ver tanta coisa diferente que, na minha tenra idade, causava espanto e admiração. Jamais pensei que viesse a escrever tanto sobre tanto. Seria o meu destino? E o destino de tantos que se debruçam no papel com a esferográfica composta de tinta, ou sobre um teclado melodioso ao toque de dedos ligeiros?

E será que os nossos jornais diários (poucos) vão-se debruçar num bom artigo que exponha um século e meio da efeméride musical da Sociedade Filarmónica Recreio Serretense, que vai completar 150 anos de atividade ininterrupta? Com alguns solavancos, com alguns toques conhecidos, mas, atualmente, é garante de toques taurinos, festivos, marchas, e um "pedir por boca" o que as forças humanas quiserem ou puderem?

Quem se habilita a fazer derramar em mim lágrimas de alegria pela surpresa de uma escrita inovadora, acompanhada pela imagem de Lira, da Mãe padroeira, e do instrumento que mais caracteriza a alma serretense?

Quem me proporciona um encontro de estreitar abraços e beijos de saudade que se apaga com um sorriso ou riso estridente?

Quem vai à Serreta no ano que terá a prenda de ver o nosso Bispo Novo, tão querido e jovial, dar palavras de Amor à Mãe?

Quem sabe se a data de nascimento é maior que a data de falecimento? Não te deixes "falecer" em vida e ficar arredado(a) de um festejo que tanto é religioso como profano.

VAI! CAMINHA! REZA! ALINHA! MAS VAI...

Porque a uma Mãe não se diz não, diz-se o SIM, como forma de agradecer o SIM que Ela sempre disse, na ocasião do pretenso Nascimento de Jesus. Portanto, para mim Nascer é muito melhor que... não vou escrever, porque mesmo que tal me aconteça, fui muito feliz por tudo o que já vi, fiz e dei.

Dei de mim tudo o que pude...

Rosa Silva ("Azoriana")

Nota: Escrita para António Couto e para quem o ler (e me ler).

A idade da "Inocência"

28.08.23 | Rosa Silva ("Azoriana")

A "Inocência" não tem mais de dois anos. Vai fazê-los brevemente. Até lá diz sempre a verdade. Não mente. Acredita nos que Ama. Nesta idade, Amar é saber que tem o papá, a mamã, a madrinha, o padrinho, a titia, o titio, a tia, o tio, a madrinha nova, a avó, o avô, a outra avó, o outro avô... e quando acertam no que a <Inocência> tem na sua pequenina ideia, diz sempre: É! E ri-se, como que feliz por terem ido ao encontro da sua expressão com uma mistura de palavreado aprendido e dito com redução silábica.
Interessa é que a "Inocência" não tem qualquer indicador de maldade, traição, mentira e falsidade. É pura e cristalina como a água.
Pena que, mais dia, menos dia, a "Inocência" perceba todos os males que dão cabo da humanidade.
A "Inocência" sabe quem lhe quer bem como ninguém.
A "Inocência" cura uma queda com um beijo da avó.
A "Inocência" entende tudo à velocidade maior... pena que já tenha aprendido a fórmula mágica de fazer valer a sua própria vontade.
Vai ter de mudar de nome para... (qual será?)

Rosa Silva ("Azoriana")

Começar a ler do fim (antes que o verbo mude)

26.08.23 | Rosa Silva ("Azoriana")

Não sei se é normal
Ou antes paradoxal
Escrever sobre a Serreta;
O que penso e vos digo
É que sempre anda comigo
Essa primeira faceta.

Às vezes estou calada
De noite ou madrugada
Dentro da minha conchinha...
Então algo me ressoa
E é para lá que voa
A escrita doce e minha.

Vivo, assim, neste retrato,
Sem papel, nem acetato,
Até que chegue o tal dia...
Até lá vou escrevendo
O que sinto e vou mantendo
Só para minha alegria.

Se comigo tu comungas
De empatia e não resmungas
Por me leres amiúde
Então converte a saudade,
Que possas ter de verdade,
Vem antes que o verbo mude.

Rosa Silva ("Azoriana")

Ó Serreta linda joia

26.08.23 | Rosa Silva ("Azoriana")

Ó Serreta linda joia
Minha terra preciosa
Meu teto de claraboia
Que me deu nome de Rosa.

Ó Serreta sentinela
Paragem obrigatória
Cada vez estás mais bela
Memorável na história.

Festeja século e meio
A musical harmonia
Banda que tocou de enseio
À Mãe que a protegia.

Serreta da "estrelinha"
Que voa perto da serra...
Se a vires, é da Rainha
Que abençoa toda a Terra.

Rosa Silva ("Azoriana")

Nota: Maria Esteves (Milagres do ti' Manuel Franco)

Pág. 1/3