Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(767 até agora)

Motivo para escrever:
Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********


Sonhei

por Rosa Silva ("Azoriana"), em 19.09.08

Choro pelo caminho. É hora de almoço e nem sei onde está o cartão que me dá o "dinheiro da parede". Procurei na algibeira da mala e nada de encontrá-lo. Onde será que o larguei?! Hoje, fiquei trancada na rua. A chave da porta de casa não está comigo. Bato à porta e ninguém responde. Experimento enviar uma "sms" para me valerem mas sem resultado. Estão todos impedidos de vir a casa. De repente, lembro-me que tenho uma nota estrangeira no saco, à deriva. Encontro-a e resolvo ir trocá-la.

O lugar, por excelência para bons câmbios, está fechado. Rodo nos calcanhares e vou até à instituição bancária mais próxima. Troquei a nota e quase perdia a vontade de comer: Ao total (contravalor) foram retirados os impostos (0,16€) e as comissões (4,00€) e, na minha mão, nem pousa 10 euros inteiros. Saio triste. Afinal não há nada a fazer ou argumentar. É-me dito que é mesmo assim e pronto. Fico a olhar para a minha mão, por uns instantes, e acelerei a vontade de jorrar água exaltada dos olhos. Arrumo o papel comprovativo na mala e sigo pelas ruas, ainda com fome, e penso: - Isto é que vai uma crise em tudo e todos! Até as dólas estão a sofrer derrapagem acelerada.

Entretanto, enquanto as horas vão rolando num estômago vazio e triste, tal como o meu rosto deve estar, e, enquanto vou esperando saber o resultado da minha ida à "baixa citadina", vou olhando à minha volta e vou entrando no sonho. Sonhei: - Sou mais feliz fora dos bancos. Imagino o meu filho, lá longe, e sem dinheiro. O que será que ele faz o dia todo? Será que conseguiu um trabalho? Será que está de mão estendida a pedir umas migalhas? Um homem chora mais do que se imagina, quando estende a mão ao pão-nosso-de-cada-dia. Agora entendo porque há gente que se revolta, faz "lavarintes", digo, roubos, crimes e acaba na cadeia. Sonhando já estou a ver o mundo a apodrecer de tédio.

Mas o que se passa afinal?! É um corre-corre rumo a não-sei-onde e a não-sei-quê. Antigamente, o rumo ainda se vislumbrava na curva do destino, agora já não há tempo nem dinheiro. Vamos dando cabo de tudo. A caridade também já não é o que era. Ninguém dá por ninguém. Andamos lado a lado e não se sabe quantos e quantas carregam o rosto dos impostos e das comissões. O meu rosto está carregado. Fiz a borrada do dia. Não devia sequer ter comido... E continua o pensamento de que um dos meus filhos não deve ter comido nada hoje...Choro silenciosamente. Não sei o que fazer. Sinto a saudade e a fraqueza. Vou subindo a rua amarguradamente. Acabei de chegar do outro lado da ilha onde estive feliz por seis dias e o choro instala-se inconsolável.

De repente, procuro a abertura da mala e olho para dentro. Um cheiro bom inunda-me as narinas. Trouxe comigo uma rosa da Senhora dos Milagres. Um sonho real.

 

Para a "Fábrica de Histórias" - Sonhei.
in http://fabricadehistorias.blogs.sapo.pt/4335.html

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Imagem de perfil

jts a 19.09.2008

Olá, "ROSINHA"...!
Há tanto tempo que não passo por aqui...!
Enfim, a vida nem sempre nos dá o tempo de que necessitamos e depois...bem, depois, é acatar aquilo que Deus nos dá.
Quanto ao texto com que nos brindou hoje, a minha opinião:
É das coisas mais bem feitas e melhor idealizadas, que li nos últimos tempos.
A fantasia de braço dado com a realidade, por vezes assusta-nos. Quem é que ainda não passou por um susto destes?
A cidade do Porto, dista da minha terra, mais ou menos, cem quilómetros.Há cerca de trinta anos, puz-me a caminho, daquela cidade utilizando o transporte do caminho de ferro. Chegado ao Porto, logo pela manhã, entrei num café e pedi meia de leite e uma torrada.Tomei o pequeno almoço descançado, até que chegando junto de mim o empregado, perguntou:não precisa de mais nada? - são 15$00.
Pucho pela carteira para pagar o que tinha consumido e verifico, que não trago a carteira comigo. Isto, é: nem dinheiro, nem documentos.
Se a minha deslocação ao Porto era para efectuar umas compras que tinha programado, e agora? Nem dinheiro para fazer uma chamada telefónica.
Com toda a sinseridade, mandei chamar o patrão do estebelecimento, e contei toda a situção, sem rodeios nem mentiras.
O Homem, ouviu-me com toda a serinidade e perguntou-me: tem alguém conhecido na sua terra a quem eu possa telefonar? Sim, tenho muita gente, que pode abonar a minha idoneidade sem receio.
O senhor Santos - assim se chamava o dono do estabelecimento - disse: não é necessário telefonar. Até me posso enganar, mas o meu amigo parece-me uma pessoa séria.
Deixa-me o seu nome e morada e eu vou confiar-lhe cem escudos, para as suas despesas aqui no Porto. Quando poder, paga-me.
Estupfacto com tamanha grandeza de alma, agradeci e prometi ainda no mesmo dia, passar pelo estabelecimento, para pagar o favor, que aqule homem sem me conhecer de lado nenhum, me tinha feito.
Obviamente, que telefonei aos meus familiares a contar o sucedido e prontamente resolvi o problema, que me tinha acontecido.
Como vê, minha cara ROSINHA, há fantasias que até parecem verdade e quantas vezes existem verdades, que não passam de mentiras.
Um grande beijo,
Teixeira da Silva
Imagem de perfil
Este episódio é para a "Fábrica de Histórias". Quem sabe se o seu comentário também se adequa ao preconizado por este sítio que recolhe sonhos e realidades.

Se não tiver 500 palavras tente completar o seu texto e colabore nesta ideia interessante.

Bem-vindo e com a amizade de sempre lhe desejo um bom fim de semana.
Imagem de perfil
Veja lá se gosta do que fiz: http://silvarosamaria.blogs.sapo.pt/579792.html. O seu belo comentário virou artigo e penso que terá lugar no podium da Fábrica de Histórias. Espero que não o desgoste com esta atitude mas foi por gostar do seu texto.

Abraço
Imagem de perfil

Lala a 20.09.2008

Olá Azor.
O texto está mágnifico.
Conheço-te e admiro-te pela poesia, nunca te tinha lido na prosa.
Foi uma surpresa muito agradável.
Parabéns o texto está, como já disse antes, mágnifico.
Muito bem escrito, parece que te estamos a ver, deambulando, perdida pelas ruas da nossa cidade.
Mais uma vez parabéns. Adorei.

grandes.

Lala

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Os escritos são laços que
nos unem na simplicidade
do sonho... São momentos!
Rosa Silva ("Azoriana")

DATA DA CRIAÇÃO
09/04/2004

A curiosidade aliada à
necessidade criou
o 1º artigo e continuou...
15 ANOS
2019/04/09


Não há rima para o tempo
Mas o tempo é uma rima
Que serve de passatempo
A quem o tempo estima.

in DI Domingo. Foto de António Araújo

SELO
Azoriana/Açoriana
Azoriana/Açoriana
@ 2004 etc.

(Usa Ctrl+C p/copiar
e Ctrl+V p/colar
o selo no seu blog)

VISITAS
Até 2015/03/30 tinha um total de 537.867 visitas.
Doravante estatísticas in SAPO
MEO KANAL
Canal nº 855035 - Azoriana no MEO Kanal



ISSUU

MEO CLOUD

Naturalidade:

Neste espaço residem pequenos fragmentos da alma serretense.
Um residente classificou-a como sendo fresca no clima e quente na hospitalidade. É, sem dúvida, uma freguesia fresca, pequena mas com uma grande alma.

É um "Cantinho do Céu", como a autora lhe chamou num dos seus artigos publicados.
Sob o pseudónimo de Cidália Miravento e na capa de "Azoriana", Rosa Silva vai reunindo coisas suas e de outros no intuito de divulgar a freguesia que lhe deu berço - SERRETA.

Bem-vindo à Serreta, a freguesia de Nossa Senhora dos Milagres desde 1/1/1862, do concelho de Angra do Heroísmo, ilha Terceira - Açores.




Links

Dicionário

Jornal

O Blog que nos ajuda

Voz dos Açores - gravações