Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(767 até agora)

Motivo para escrever:
Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********


Eram dez horas e trinta minutos do dia um de Novembro de dois mil e oito. Com alguns sacos de compras, basicamente com produtos de limpeza e alguns alimentos para tapar o estômago durante uma tarde inteira, aguardávamos o carro que nos transportava até à casa que há seis anos não lhe víamos a cor.

Mal chegámos ao destino, encontrámos uma vedação com tábuas mais altas que um homem, verdes e apenas seguras com um cadeado que, normalmente, serve para amarrar uma bicicleta.

Após a entrada pela rampa cimentada que nos leva até duas portas verdes de garagem, encontrámos a porta que nos dava acesso à cozinha da moradia. Fui a primeira a abeirar-me da dita porta com o coração muito apertado. Olhei em redor e tudo parecia estranho para mim. Apenas alguns detalhes me fizeram reavivar um passado de trabalho e dedicação para conseguir ter tudo de forma a não ter vergonha da presença de alguém. Naquele momento não gostei nada do panorama e chorei para dentro para evitar que me vissem chorar por fora. Há sempre um jeito de arrumar algumas lágrimas. Estava prestes a abrir a porta e benzi-me primeiro. Voltei a olhar para o que estava na parte da traseira da casa e que avistava da porta da cozinha... Um mar de monda e ervas desconhecidas. Os muros estavam mais altos e tinham uma vedação. Ao fundo, avistava uma árvore triste e mais monda alta que nem dava para atravessar para ir ver o cerrado maior... Finalmente, deitei a chave à porta da cozinha e devagar espreitei para dentro... Entrei com o pé direito e olhei o vazio grande que estava na minha frente. Assustei-me: havia falta de recheio. É normal, ao fim daquele tempo só existiam peças deterioradas e com necessidade de lavagem. Mas não tinha electricidade nem água. Sem estas duas, nada feito.

Mas o que mais me espantou foi o “Limoeiro sorridente”. Esse ficará para sempre gravado na parede que dá início ao corredor central da moradia que mantém as mesmas divisões, com alguns defeitos e cores completamente fora do meu tom normal: o branco. Mas aquele limoeiro ficou a reter o meu olhar por um bocado. Sempre tive ideia de pintar uma parede com o meu gosto abstracto, mas um limoeiro com limões sorridentes nunca esteve na minha ideia. Junto à tijoleira, cuja escolha foi eu que fiz outrora, desenhado na parte inferior da parede estava um vaso e desse vaso subia o tronco muito comprido, em castanho escuro, e culminava numa ramagem de folhas pintadas multi-cores, onde predominava o verde e branco, fazendo abranger toda aquela parte superior da parede estreita, antes de virar para a escada que liga ao piso inferior.

O que me chamou mesmo a atenção foram os limões amarelinhos e alguns deles tinham uns olhos, nariz e uma boca em formato de alegria. Daí que lhe chamei logo: o limoeiro sorridente! A princípio irritou-me aquele desenho mas após ver que todos se riam com o limoeiro conformei-me...

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Os escritos são laços que
nos unem na simplicidade
do sonho... São momentos!
Rosa Silva ("Azoriana")

DATA DA CRIAÇÃO
09/04/2004

A curiosidade aliada à
necessidade criou
o 1º artigo e continuou...
15 ANOS
2019/04/09


Não há rima para o tempo
Mas o tempo é uma rima
Que serve de passatempo
A quem o tempo estima.

in DI Domingo. Foto de António Araújo

SELO
Azoriana/Açoriana
Azoriana/Açoriana
@ 2004 etc.

(Usa Ctrl+C p/copiar
e Ctrl+V p/colar
o selo no seu blog)

VISITAS
Até 2015/03/30 tinha um total de 537.867 visitas.
Doravante estatísticas in SAPO
MEO KANAL
Canal nº 855035 - Azoriana no MEO Kanal



ISSUU

MEO CLOUD

Naturalidade:

Neste espaço residem pequenos fragmentos da alma serretense.
Um residente classificou-a como sendo fresca no clima e quente na hospitalidade. É, sem dúvida, uma freguesia fresca, pequena mas com uma grande alma.

É um "Cantinho do Céu", como a autora lhe chamou num dos seus artigos publicados.
Sob o pseudónimo de Cidália Miravento e na capa de "Azoriana", Rosa Silva vai reunindo coisas suas e de outros no intuito de divulgar a freguesia que lhe deu berço - SERRETA.

Bem-vindo à Serreta, a freguesia de Nossa Senhora dos Milagres desde 1/1/1862, do concelho de Angra do Heroísmo, ilha Terceira - Açores.




Links

Dicionário

Jornal

O Blog que nos ajuda

Voz dos Açores - gravações