Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Açoriana - Azoriana - terceirense das rimas

Os escritos são laços que nos unem, na simplicidade do sonho... São momentos! - Rosa Silva (Azoriana). Criado a 09/04/2004. Angra do Heroísmo, ilha Terceira, Açores. A curiosidade aliada à necessidade criou o 1

Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(940...pausa... 981)

Motivo para escrever:

Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********

Com os melhores agradecimentos pelas:

1. Entrevista a 2 de abril in "Kanal ilha 3"



2. Entrevista a 5 de dezembro in "Kanal das Doze"



3. Entrevista a 18 de novembro 2023 in "Kanal Açor"


**********

Dia do Pezinho - 24 de Junho - Sanjoaninas 2010. Apontamento de Liduino Borba

24.06.10 | Rosa Silva ("Azoriana")

Depois de alguns meses

 

JOÃO ÂNGELO VOLTA A CANTAR

 

Liduino Borba (*)

 

Depois de alguns meses afastado dos coretos da Terceira, João Ângelo voltou a cantar, no dia 24 de Junho, dia do seu 75º aniversário, no Pezinho das Sanjoaninas. Esteve convidado para a cantoria do dia 20, também das festas da cidade, que se realizou no Jardim Público da Terceira, mas a tosse forte que o atacou fez cancelar a sua presença.

Os meses de interregno ficaram a dever-se, em primeiro lugar, à operação a que foi submetido em Dezembro, e, em segundo, à morte da única irmã que tinha, mãe da, também, única sobrinha que tem.

No Pezinho, participaram sete cantadores: Mota, Eliseu, José Fernando, Maria Clara, Hélder, Retornado e João Ângelo. Começou junto da Câmara Municipal, na Praça Velha, depois caminhou pela Rua Direita até ao Sport Clube Angrense, subiu a Rua de São João e cantaram ao Santo das Festas, seguindo-se a Sé Catedral dos Açores, o Sport Clube Lusitânia, e terminou em frente do Secretariado das Festas. Em todos os lugares, e de todos os cantadores saíram cantigas dignas de registo. Das doze que cada um improvisou ficam aqui algumas.

António Mota, junto da Câmara, sua entidade patronal, disse para a Andreia Cardoso, a presidente:

 

Esta Câmara é tão bela

Revestiu-se de linda cor

Quem olhar p’rà porta dela

Vê a mais bonita flor.

 

João Ângelo, ainda junto da Câmara, terminou com esta quadra, aludindo às brasileiras e ao negócio dos chineses:

 

As senhoras são mais melgueiras

Tem sempre mais delicadezas

De noite temos as Brasileiras

E de dia as Chinesas.

 

O Eliseu, também funcionário do quadro da Câmara, com a categoria de Engenheiro do Ambiente, disse na Rua de São João, junto do Angrense, referindo ao Luís Gonçalves:

 

O Angrense actualmente

Honra todas as condições

E tem um presidente

Que fica lindo de calções.

 

José Fernando, tesoureiro do Município Praiense, cantou junto da imagem de São João, no canto da mesma Rua, e disse:

 

São João ao nascer

Era filho de Zacarias

Para depois de morrer

Ser santo nos nossos dias.

 

E João Ângelo, como os outros, aludiu à fraca beleza da imagem:

 

Eu por acaso nasci

Na data de São João

Mas quando olho p’ra ti

Tenho dó dessa posição.

 

O Retornado, ainda junto de São João, não deixou de criar as rimas de sentido profundo, como ele sabe fazer:

 

Isabel deu-te à luz

Que era prima da virgem mãe

Se és primo de Jesus

És nosso primo também.

 

Junto da Sé Catedral dos Açores, foram improvisadas quadras de fino recorte, que não podem ser todas aqui inseridas. Maria Clara, com a sua juventude cheia de futuro, disse:

 

Como esta não há igual

Onde param os oradores

Pois é Sé Catedral

Das nove ilhas dos Açores.

 

O Hélder também não deixou os seus créditos por mãos alheias e enalteceu a Catedral:

 

Ó santa igreja da Sé

A quem canto em pormenor

Enquanto houver alguém com fé

Tu serás sempre a maior.

 

José Fernando, referido a São João e São Salvador, disse:

 

Agora dizer me resta

Uma coisa que é verdade

São João vigia a festa

São Salvador a cidade.

 

O Retornado improvisou:

 

Rezem comigo neste segundo

Minhas senhoras meus senhores

Pedindo ao Salvador do mundo

Rogai por nós pecadores.

 

E João Ângelo rematou, que nem sempre se faz o que se diz:

 

Há palavras apreciadas

Nesta fiada seguida

Que depois não são usadas

Nos dias da nossa vida.

 

Já junto da sede do Lusitânia, e antiga casa de D. Violante do Canto, a Música que acompanhava o Pezinho tocou os “Parabéns a Você”, para os 75 anos de João Ângelo.

Maria Clara soube enaltecer o grande Clube da Rua da Sé, que esteve quase a fechar portas:

 

Canto a campeões bem posso ver

Com rimas de tal tamanho

Se forem dos que sabem perder

Já têm o vosso jogo ganho.

 

E o Retornado concluiu:

 

Ele já tem seiva na planta

Pois nem tudo está perdido

Porque quem cai e se levanta

Não conta o ter caído.

 

O Pezinho terminou do lado contrário da Rua, a cantar ao Secretariado das Festas Sanjoaninas de 2010. Seguem-se as quadras de Mota, Eliseu, Maria Clara e Hélder, respectivamente:

 

Letícia das mentes finas

Não encontras obstáculo

Até agora as Sanjoaninas

Estão que é um espectáculo.

 

Tens dado passos seguros

Esses são o teu abono

E esses óculos escuros

Encobrem olhos de sono.

 

Aqui ao entrar qualquer humano

Sabe que tem trabalho profundo

Mas conseguiram este ano

Fazer d’Angra Jóia do Mundo.

 

Tu tens mostrado que és capaz

De montar toda esta cena

Depois tu vais olhar p’a trás

E pensar que valeu a pena.

 

 

(*) Autor do livro “João Ângelo – O Mestre das Cantorias”, e outros.