Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Criações de Rosa Silva e outrem; listagem de títulos

Em Criações de Rosa Silva e outrem

Histórico de listagem de títulos,
de sonetos/sonetilhos
(767 até agora)

Motivo para escrever:
Rimas são o meu solar
Com a bela estrela guia,
Minha onda a navegar
E parar eu não queria
O dia que as deixar
(Ninguém foge a esse dia)
Farão pois o meu lugar
Minha paz, minha alegria.

Rosa Silva ("Azoriana")

**********


mais uma quinta de maio (sem maiúsculas)

por Rosa Silva ("Azoriana"), em 23.05.13

não sei se é estado geral mas os dias não estão para muita atividade. a passagem do estado de frio para uma véspera de calores ilhéus faz com que o corpo entre numa moleza que só levita com uma boa chávena de um café matinal. hoje nem me apetece erguer muitas teclas no início da frase em cada parágrafo. os trabalhos do quintal da casa da azoriana estão a quebrar toda a réstia de forças que ainda podem encontrar-se num corpo que aparenta a expressão “nem tudo o que se vê combina com o que se tem”. quando caio na horizontal mais cedo que o habitual entro num estado que pode cair a casa que nem noto, salvo seja. os rituais matinais e ao longo do dia tendem a cair na rotina, exceto quando há alguma novidade de última hora. aposto que a vizinhança já conhece todas as voltas e reviravoltas do trabalho doméstico exterior à morada permanente. aborrece-me sentir-me como que à mercê dos olhares alheios. aborrece-me ter de me comportar de forma a não arregalar nenhum olhar estranho. enfim, mais uma quinta de maio com um quintal à prova de visitas domiciliárias. raramente as tenho mas importa agradar, sobretudo, aos conviventes diários. nada como olhar à nossa volta e acertar em cheio no paraíso terreno, sem ervas daninhas, sem montes de desperdício, sem restos da última cavadela. a fogueira no recipiente próprio para tratamento dos desperdícios fez-se com calma e descontração. a mangueira fez verter o líquido que acalma o fogo relativamente manso. as narinas é que sabem. de resto, hoje é mais uma quinta de maio, a penúltima do mês. dou comigo a pensar que falta apenas um mês para o estado de repouso ferial. umas férias vinham mesmo em boa altura para apreciar o trabalho dos fins das tardes com cheirinho a calores ilhéus. lembro que o mar deve estar como azeite tal como o vi no passado domingo no regresso a casa. nem uma onda bulia. ah! quase me esquecia de anotar: o que semear nos dias vespertinos dos calores ilhéus?! as couves já estão maduras. os tomateiros já se acomodaram à nova terra. as malaguetas vão pelo mesmo critério. as ervilhas ainda não vislumbram o ar livre. as batatas começam a surgir à face da terra. os feijões mantém-se no subterrâneo. as minhas flores (uma experiência nova) ainda não deram sinal de florescimento. sinto-me enfadonha, calma e sem vontade para soltar um “ai”. só penso no que o SAPO irá pensar sobre um artigo neste estado de tédio. mas porquê, senhor?! só pode ser do calor ilhéu rodeado de uma imensidão anil líquida e salgada que convida a um bom banho (quer dizer, só uma molha de pés porque o meu corpo não sabe boiar)… e vem aí mais uma proximidade com a caridade da Trindade ilhoa. fico-me por aqui e perdoem se não vos atender nalgum chamado instantâneo. está tudo bem e não venha pior que os títulos de caixa alta das notícias de mais uma quinta de maio. tal pena não inventarem que as letras maiúsculas podem ser abolidas. dá menos trabalho e poupa-se a tecla do “shift”. bem-haja quem atura um parágrafo deste tamanho. boa noite!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Solidariedade campestre

por Rosa Silva ("Azoriana"), em 22.05.13

Ainda sou do tempo que havia uma espécie de solidariedade campestre. Hoje meu, amanhã teu ou vice-versa. Havia uma entre ajuda simpática e altruísta. Tanta vez que nos emprestavam uma vaca para que se fizessem sementeiras perante um sol que penetrava um corpo tolhido por um inverno húmido e enregelado. Antes de sairmos para as terras, forrávamos o estômago com o alimento encorajador e seguíamos canada abaixo rumo ao cerrado com todos os apetrechos necessários para lavrar (o arado), alisar (a grade), fazer rego e semear (ver imagem). O Calçado também ia todo feliz para ficar a guardar as alfaias agrícolas do seu dono. O Calçado foi o cão que ficou residente na minha memória de uma infância que hoje compreendo que foi feliz, pese embora alguns solavancos naturais.

Voltando à vaca… Cabia a mim a tarefa de ir à frente da vaca para que o trabalho ficasse perfeito e alinhado, não fosse o animal (que era deveras pacato) enveredar por algum atalho desfavorável a uma sementeira de milho e feijão para sustento anual. Confesso que esta tarefa nem sempre me causava bons resultados: uma vermelhidão acompanhada de alguma coceira era o habitual. Os mosquitos gostavam da minha pele alva e ferravam a sua mordidela. De volta a casa, subindo a ingreme canada com um cansaço notório, chegava ao final da mesma via a custo mas era uma alegria quando os pés cheios de terra fresca tocavam o caminho de asfalto, sinal de que a moradia estava mesmo ali pertinho.

Comparando com as tarefas da atualidade não há comparação. Tudo se faz recorrendo a maquinaria de salve-se o esqueleto a favor do mecanizado. Claro que esta evolução é muito favorável ao homem num sentindo mas por outro deixa morrer uma aventura agrícola e uma ginástica laboral diferente.

Uma coisa que me dá bastante pena é que na altura daqueles trabalhos campestres não foram captadas quaisquer imagens para recordação futura. Gostava de rever-me nesses assados que hoje não passam de miragens de um tempo que não volta atrás.

O que eu queria, no fundo, trazer a texto era o facto de haver entre ajuda familiar e da vizinhança ou de um punhado de amigos que se prestavam a colaborar nas tarefas campestres. Sinto saudades e falta desse movimento pessoal cujo resultado era apenas e somente o saber que se podia contar com um amigo. Hoje se quisermos fazer algo há que ter verba para surtir o sucesso final do que quer que seja. É pena.

Angra do Heroísmo, 22.maio.2013.

Rosa Silva ("Azoriana")

 

P.S.: Rima da minha alma...

Quando a prosa toma conta
Do meu vasto escrever
Algum tédio em mim desponta
Galopando todo o meu ser.

Quando a rima se esconde
Na margem da minha escrita
Sabe-se lá porquê e onde
Anda a musa favorita.

Prezo tanto minha raiz
Na escrita que vem pura:
De rima sou mais feliz
No verso que dá cultura.

A cultura da Terceira
Faz-se em qualquer freguesia
Voa livre na Bandeira
Com asas de poesia.

 



2013.Azoriana

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mural das cores

por Rosa Silva ("Azoriana"), em 15.05.13

Verdes campos naturais
Onde o corpo teu passeia
Dos melros e dos pardais
Das abelhas na colmeia.

O anil dos céus e mares
Onde a nuvem faz volume
É refrão de tantos lares
Onde impera o ciúme.

Na tua pele dourada
Que aninha o belo Sol
Vem feliz a madrugada
Na ternura do lençol.

A alva luz do teu rosto
Quando olha para o meu
Enche de maio a agosto
Tudo o que o amor teceu.

É uma ciranda de cores
Sedução harmoniosa
Que se reflete em amores
Volta e meia em tons de rosa.

Em cada ilha o ilhéu,
Em cada ilhéu terra e mar…
De azul reflete o céu
Que ondula em teu olhar.

 


Rosa Silva (“Azoriana”)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Costumes cá da terra

por Rosa Silva ("Azoriana"), em 13.05.13

Não sou muito de ir a vinhos mas é nesta semana que vão aos vinhos. Para quem não conhece os nossos costumes, tradições e folguedos, basta dizer que durante esta semana reúnem-se os mordomos do Bodo (de pão e vinho) e ala que se faz tarde vão buscar com grandes barris o produto da vindima do ano anterior. Dos Biscoitos de lava é que são vinhos de se lhes tirar o chapéu e de cair para o lado se abusarmos de “vira-vira” de copos no arraial domingueiro de Pentecostes (Para os cristãos, o Pentecostes celebra a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos e seguidores de Cristo, através do dom de línguas, como descrito no Novo Testamento, durante aquela celebração judaica do quinquagésimo dia em Jerusalém. Por esta razão o dia de Pentecostes é às vezes considerado o dia do nascimento da igreja. O movimento pentecostal tem seu nome derivado desse evento. Fonte: Wikipédia)

Na minha freguesia natal – Serreta - é que é um Bodo alegre, unido e partilhado. De tarde, após o cortejo de manjares em direção ao Império e zona próxima, colocam-se as mesas e bancos que esperam os pratos salgados ou doces e um punhado de amigos do Bodo. O pão é distribuído pelos irmãos na parte da manhã e, à tarde, é vê-los felizes na partilha vinícola acompanhada pela enchente de variedades (favas com molho picante são o prato favorito) que atraem o tal virar de copos cuja cor deixa uns bigodes roxos se a distração já começa a temperar o paladar.

A Filarmónica, com sua farda completa, centra-se neste arraial do Divino e toca algumas peças favoritas e abrem-se alas à partilha da alegria. Adoro lá estar naquele cantinho do céu…

Venha testemunhar isto que escrevo com a doçura do alfenim das promessas e a rosquilha da divindade.

2013-05-13

Rosa Silva ("Azoriana")

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira musical

por Rosa Silva ("Azoriana"), em 10.05.13

Viva os jovens da Terceira
Sua arte e valentia
A tocar desta maneira
São um hino à alegria.

Cinco Ribeiras e Serreta
Em união ou parceria
São flores, cravo, violeta
No palco da melodia.

Ai como é lindo aqui estar
No coracão da Terceira

Ouvi-los como ondas do mar.


Meu coração já incendeia
De amor pela Bandeira
Que de belos toques se asseia.

Rosa Silva ("Azoriana")

 

Nota: Um enorme e sincero elogio ao grupo de metais (7 pessoas) da PSP de Lisboa. Em uníssono brindou-se com aplausos de gratidão e gosto pelo excelente serão que nos proporcionaram. Bem-haja!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Os escritos são laços que
nos unem na simplicidade
do sonho... São momentos!
Rosa Silva ("Azoriana")

DATA DA CRIAÇÃO
09/04/2004

A curiosidade aliada à
necessidade criou
o 1º artigo e continuou...
15 ANOS
2019/04/09


Não há rima para o tempo
Mas o tempo é uma rima
Que serve de passatempo
A quem o tempo estima.

in DI Domingo. Foto de António Araújo

SELO
Azoriana/Açoriana
Azoriana/Açoriana
@ 2004 etc.

(Usa Ctrl+C p/copiar
e Ctrl+V p/colar
o selo no seu blog)

VISITAS
Até 2015/03/30 tinha um total de 537.867 visitas.
Doravante estatísticas in SAPO
MEO KANAL
Canal nº 855035 - Azoriana no MEO Kanal



ISSUU

MEO CLOUD

Naturalidade:

Neste espaço residem pequenos fragmentos da alma serretense.
Um residente classificou-a como sendo fresca no clima e quente na hospitalidade. É, sem dúvida, uma freguesia fresca, pequena mas com uma grande alma.

É um "Cantinho do Céu", como a autora lhe chamou num dos seus artigos publicados.
Sob o pseudónimo de Cidália Miravento e na capa de "Azoriana", Rosa Silva vai reunindo coisas suas e de outros no intuito de divulgar a freguesia que lhe deu berço - SERRETA.

Bem-vindo à Serreta, a freguesia de Nossa Senhora dos Milagres desde 1/1/1862, do concelho de Angra do Heroísmo, ilha Terceira - Açores.




Links

Dicionário

Jornal

O Blog que nos ajuda

Voz dos Açores - gravações